Em reação à decapitação do segundo jornalista norte-americano, Steven Sotloff, David Cameron prometeu que o Estado Islâmico vai ser “erradicado” (“squeezed out of existence“). De acordo com o britânico Guardian, o primeiro-ministro prometeu formar uma coligação na região, que não poderá ser confundida com uma intervenção ocidental.

As declarações de David Cameron fazem antever uma coligação para expulsar o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) do Iraque, e seguem-se ao pedido de ajuda do Governo iraquiano para travar o grupo terrorista. Os curdos também estão a combater o Estado Islâmico. Mais detalhes sobre a junção internacional de forças deverão ser conhecidos nos próximos três dias, durante a cimeira da NATO no País de Gales.

O ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Philip Hammond, disse esta manhã que o Governo britânico vai “olhar para todas as opções possíveis” para recuperar o David Cawthorne Haines, o refém britânico ameaçado de morte no vídeo da execução de Steven Sotloff. Exceto pagar resgates a terroristas, como disse David Cameron, citado pelo Guardian.

“Eu acho que o que aconteceu com os dois reféns e o que pode acontecer novamente no futuro é absolutamente repugnante e bárbaro. Essas pessoas [Estado Islâmico] precisam de entender que não vamos hesitar no nosso objetivo de derrotar o terrorismo”, disse o primeiro-ministro britânico, que se mostrou “chocado” e “revoltado” pelo facto de as duas decapitações terem sido feitas por um cidadão britânico.

Barack Obama também declarou, esta quarta-feira, que os Estados Unidos “não se vão deixar intimidar” pela execução do jornalista Steven Sotloff, momentos depois de a Casa Branca ter confirmado a autenticidade do vídeo.