Primárias No PS

Segundo debate entre Costa e Seguro com menos 300 mil espetadores

Foram menos 300 mil espetadores e o share também registou uma diminuição de quase 10%. O segundo debate entre os candidatos às primárias foi visto por 1,2 milhões de pessoas.

O último debate está agendado para dia 23 de setembro, cinco dias antes das eleições

JOS

O segundo debate entre os dois candidatos às primárias o PS foi visto por menos 300 mil pessoas do que o que foi transmitido na noite anterior na TVI. 1.199 milhões de pessoas assistiram ao segundo round entre António Costa e António José Seguro, desta vez na SIC.

O debate, moderado pela jornalista Clara de Sousa, foi integrado no Jornal da Noite — que acabou por ser o sexto programa mais visto do dia, com uma audiência de 11,4% e um share de 24,4%. O debate entre Costa e Seguro foi ultrapassado no topo dos programas mais vistos por quatro novelas e pelo noticiário da noite da TVI. Teve uma audiência de 12,5% (1.119.300 espetadores) e um share médio de 25,1%, escreve o Público. Uma diminuição de quase 10% em comparação ao share alcançado pelo debate transmitido terça-feira na TVI: 34%.

Este foi o segundo duelo entre António José Seguro e António Costa transmitido em sinal aberto. O próximo, e último, está agendado para dia 23 de setembro, na RTP1. As eleições primárias para a escolha do candidato do PS a primeiro-ministro estão marcadas para cinco dias depois.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)