O ministro principal escocês, Alex Salmond, fechou hoje a porta a propor um novo referendo sobre a independência da Escócia durante uma “geração”, se o “não” ganhar no plebiscito da próxima quinta-feira.

Ao ser questionado na cadeia britânica BBC se renunciaria a propor uma nova votação depois de uma eventual vitória do “não”, Salmond respondeu: “Essa é a minha visão. A minha visão é que isto é uma oportunidade para a Escócia que se dá uma vez em cada geração, talvez uma vez na vida”.

“É preciso recordar os referendos constitucionais prévios que existiram na Escócia. Houve um em 1979 e o seguinte foi em 1997. A isso refiro-me com uma geração política”, indicou Salmond.

Em 1979, os escoceses votaram contra a instauração de uma assembleia legislativa autónoma, uma questão que voltou a ser submetida às urnas 18 anos depois, mas nesta última ocasião com resultado afirmativo.

O também líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP) defendeu que no dia a seguir ao plebiscito “o primeiro assunto urgente será unir a Escócia”.

“Na sexta-feira, um dia depois, deixará de haver uma campanha pelo ‘sim’ e uma campanha pelo ‘não’, haverá apenas ‘uma equipa Escócia'”, afirmou Salmond.

O líder da campanha pela permanência da Escócia no Reino Unido, o ex-ministro trabalhista Alistair Darlin, afirmou, por seu lado, que neste assunto coincide com o político independentista, tendo referido na quinta-feira que “é necessário decidir isto para uma geração”.