Eleições Legislativas

Marinho e Pinto: “Costa é um eucalipto”

775

Eurodeputado preferia Seguro a Costa pois considera que o ex-secretário-geral do PS "dava mais garantias de honestidade".

PAULO NOVAIS/LUSA

António Marinho e Pinto, eurodeputado eleito pelo Movimento Partido da Terra (MPT) e que vai lançar no domingo um novo partido, o Partido Democrático Republicano (PDR), acusa António Costa de ser “um eucalipto” pois “secou” toda a oposição que lhe aparece.

O ex-bastonário da Ordem dos Advogados referia-se a Helena Roseta e José Sá Fernandes, que começaram por ser vereadores da oposição na Câmara de Lisboa, liderada por António Costa, e que acabaram por fazer acordo com o presidente.

Em entrevista à Antena 1, Marinho e Pinto defende que “o PCP tem que ir para o Governo, porque é muito cómodo esta situação”. E acusa ainda o PCP e o BE de se terem entendido com a direita para derrubar Sócrates e terem permitido “trazer para o poder a direita mais selvagem que houve em Portugal”.

Sobre António José Seguro, que perdeu as eleições primárias para a escolha do candidato a primeiro-ministro do PS para António Costa, Marinho diz que “dava mais garantias de honestidade política que os atuais dirigentes do PS, porque Costa vai ter de pagar um preço muito caro pelo Exército de clientes que tinha à sua volta”.

O advogado admite fazer alianças com todos os partidos, embora critique mais o CDS. “Serei capaz de fazer alianças com o diabo se isso for útil ao povo português. Não há dogmas”, disse, por sua vez, à TSF.

Nas eleições europeias, Marinho e Pinto, como cabeça de lista do MPT, teve 7,1% dos votos. Se tiver uma votação idêntica nas eleições legislativas, o seu partido pode eleger 15 deputados e pode ser determinante para eventuais negociações com o partido vencedor se este não obtiver maioria absoluta.

O eurodeputado esclarece ainda que vai ficar em Bruxelas até conseguir ser eleito para o Parlamento português. E volta a falar dos salários dos eurodeputados, que considera elevado. “Isto tem de ser denunciado e quem traz isto para o debate não pode ser atacado e insultado como eu tenho sido”, afirma.

Sobre o novo partido, o PDR, garante que pretende fazer um combate político contra a promiscuidade entre política e negócios, dando como exemplo o caso da compra dos submarinos em 2004. “Na Alemanha e na Grécia houve condenações. Em Portugal, o primeiro-ministro [Durão Barroso] foi para a Comissão Europeia e o ministro da Defesa é vice-primeiro-ministro e “dá-nos lições de moral todos os dias”, diz. “Este é um debate político que tem de ser feito”, acrescenta.

Marinho e Pinto defende “mais honestidade na política”, uma “nova forma de estar na política”. “Esperamos ser o primeiro partido a fazê-lo”, afirma.

O PDR vai ser apresentado este domingo, 5 de outubro em Coimbra. Outros membros fundadores são um ex-dirigente do PSD, Fernando Condesso, e do PS, Eurico Figueiredo.

Uma das prioridades do partido será travar a emigração jovem. Outra é bater-se para que o Parlamento “não seja um centro de corrupção”.

 

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado
318

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)