Hubert Rochereau foi um dos milhões de soldados que morreram na I Guerra Mundial, mas passados 100 anos do início do conflito, o seu quarto permanece tal e qual como ele o deixou quando partiu para as linhas da frente de combate. O desejo foi expresso pelos seus pais, que ao venderem a sua casa em Bélâbre, no centro de França, em 1935 acrescentaram uma cláusula ao contrato que estipula que o quarto não deveria ser tocado nos 500 anos seguintes.

Daniel Fabre, o atual dono contou à La Nouvelle Republique que enquanto detiver a casa, o desejo dos pais de Hubert será respeitado, embora reconheça que o ponto “não tem qualquer validade em termos jurídicos”.

Nas paredes do quarto ainda estão as estantes com os livros de Hubert, assim como o seu uniforme. Neste espaço misturam-se as várias vidas do jovem francês, que de adolescente passou a soldado. Há ainda um pacote de cigarros, a sua máquina de escrever, várias fotografias e artigos de higiene pessoal. Hubert Rochereau nasceu em 1896 e morreu a 25 de Abril de 1918.