Uma coisa é ter a tecnologia para chegar a Marte, outra é fazer a viagem (que demorará entre seis a oito meses) e outra ainda é viver no planeta vermelho, num espaço confinado e com recursos muito limitados. É para avaliar essa capacidade que uma equipa de seis pessoas selecionadas pela NASA se encontra na cratera do vulcão Mauna Loa, no Havai.

A missão HI-SEAS (Hawaiʻi Space Exploration Analog and Simulation) começou esta semana, vai durar oito meses e tem por objetivo avaliar a capacidade de gestão da equipa em diversas vertentes. Por um lado, a aptidão técnica de gerir os escassos recursos, tais como a água e os alimentos, por outro, a habilidade de viver durante oito meses numa cúpula com apenas 10 metros de diâmetro. Como nota o Guardian, este é provavelmente, um dos maiores desafios.

Os seis elementos que constituem a equipa selecionaram-se a eles próprios, após um treino exploratório de uma semana, em que um grupo maior testou as competências de sobrevivência individual, de grupo e a personalidade. No final do treino, votaram uns nos outros com base nas características sociais.

O grupo é constituído maioritariamente por engenheiros, de diversas especialidades. Ao longo dos próximos oito meses, vão viver num espaço muito pequeno, estudar diversas matérias tais com a produção e gestão de energia e alimentos, com algumas saídas exploratórias dentro de fatos especiais que simulam o equipamento real. Aliás, toda a missão prima pelo realismo, até as comunicações com a estação de comando sofrem um atraso simulado de 20 minutos, o tempo que o sinal de rádio demora a percorrer a distância entre a Terra e Marte. Ou seja, entre uma pergunta e uma resposta, passam 40 minutos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Muito provavelmente, nenhum dos elementos que participa nesta experiência no Havai irá pôr algum dia os pés em Marte (a NASA prevê uma primeira missão tripulada para 2030), mas este tipo de experiência é muito importante para avaliar e estabelecer as condições mínimas em que as pessoas conseguem viver, bem como compreender os mecanismos psicológicos e sociológicos envolvidos em missões que obrigam a uma convivência permanente e num espaço exíguo. Mais que viver num planeta hostil, a ida do Homem a Marte representará um desafio para ele próprio.

http://vimeo.com/109191602