Sustentabilidade

Estratégia de desenvolvimento da Guiné-Bissau vai centrar-se na biodiversidade — PM

O governo da Guiné-Bissau vai colocar a biodiversidade no centro da estratégia de desenvolvimentom anunciou o primeiro-ministro.

LUIS FONSECA/LUSA

O governo da Guiné-Bissau vai colocar a biodiversidade no centro da estratégia de desenvolvimento do país que vai propor à população e parceiros internacionais nos próximos meses, anunciou o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.

“A Guiné-Bissau tem coisas únicas que até hoje não estão a ser exploradas”, referiu, a propósito das parcelas de território classificadas como património natural.

A ideia foi anunciada na noite de sábado num encontro com autoridades nacionais e com a comunidade internacional, em Bissau, após um retiro dos membros do governo para análise dos primeiros 100 dias de trabalho do executivo.

“Estamos perante o grande desafio de falar de uma Guiné positiva que desafia os parceiros”, referiu Domingos Simões Pereira: “Não seremos mais um fardo, mas uma pérola que deve ser valorizada”. A aposta na biodiversidade foi destacada por Paulo Gomes, terceiro candidato presidencial mais votado nas eleições deste ano na Guiné-Bissau, antigo quadro superior do Banco Mundial e do Banco Africano de Desenvolvimento.

Paulo Gomes foi uma das figuras convidadas pelo governo para dar contributos no retiro realizado no sábado e participou no encontro que seguiu. Aquele responsável comparou o programa de governo a um “armário com várias gavetas”.

“E o que é que está a aguentar esse armário? É a nossa biodiversidade. E nós queremos vender isso claramente na nossa mesa redonda”, referiu, numa referência à reunião a realizar no início de 2015 para angariação de fundos junto de parceiros internacionais com vista ao financiamento dos planos de desenvolvimento do país.

“Queremos ser o ‘hub’ [país aglutinador] da biodiversidade na África Ocidental e a nível mundial”, acrescentou.

Paulo Gomes sublinhou que se os recursos naturais forem aproveitados, o Produto Interno Bruto (PIB) anual da Guiné-Bissau “será muito mais” que um milhão de dólares, estimativa atual que faz do país um dos mais pobres do mundo.

“Tenho a certeza que se tirassem a Guiné-Bissau do mapa, as pessoas iam dizer que esse país faz falta”, disse, numa alusão à exploração de recursos em terra e ao largo da costa. De acordo com as autoridades guineenses, cerca de um quinto (24,7%) do território do país está coberto por áreas protegidas – sendo que o arquipélago dos Bijagós, com 88 ilhas e ilhéus, faz parte da lista de reservas da biosfera da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O secretário executivo da Comissão Económica das Nações Unidas para África, o guineense Carlos Lopes, foi outra das figuras que participou no retiro governamental e que marcou presença no evento que se seguiu. Antes de sair, foi presenteado pelo primeiro-ministro com um passaporte diplomático da Guiné-Bissau, como demonstração “do orgulho” que o país tem no seu trabalho, referiu o chefe de governo.

Carlos Lopes atribuiu ao momento “uma simbologia muito grande”. Domingos Simões Pereira “estava ao corrente das dificuldades que eu sempre tive em obter passaporte diplomático da Guiné-Bissau. Ele quis demonstrar de uma forma pública esse reconhecimento”, referiu

Ao longo das intervenções que realizou, deixou a ideia de que “chegou o momento para a Guiné-Bissau entrar na modernidade política e na transformação económica”, graças ao “primeiro-ministro e outros governantes que estão empenhados em construir consensos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)