Defesa

Governo tem-se esforçado para dar às Forças Armadas capacidade operacional acrescida

O ministro da Defesa disse terça-feira que o Governo tem feito um esforço, no âmbito do reequilíbrio das contas públicas, para as Forças Armadas poderem voltar a ter capacidade operacional acrescida.

"As promoções têm acontecido com a normalidade que devem acontecer"

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Em declarações à agência Lusa na capital da Colômbia, Bogotá, onde iniciou na terça-feira uma visita de três dias, o ministro reagia ao alerta para uma eventual instabilidade na “família militar”, devido à sobrevalorização de critérios financeiros que podem originar falta de capacidade militar, lançado, no passado domingo, pelo Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), general Carlos Jerónimo.

“Partilho essas observações” do CEME, disse, referindo que o “esforço” do Governo, nos últimos três anos, no âmbito da Reforma 20-20, é precisamente para “poder ter capacidade financeira no reequilíbrio das contas públicas” para as Forças Armadas poderem “voltar a ter uma capacidade operacional acrescida” e de se fazer “o desenvolvimento e a modernização do equipamento militar”.

Trata-se da “primeira vez que acontece um ciclo completo de revisão de tudo o que tem a ver com as leis da Defesa Nacional”, o qual vai terminar no final deste ano, com a revisão da lei da programação militar, e que permitiu “fazer ajustamentos” para que “se gaste menos com pessoal e mais com capacidade operacional” e seja possível “reequipar novamente e modernizar as Forças Armadas”, frisou.

Segundo Aguiar-Branco, com a lei da programação militar serão definidos os programas nos três ramos das Forças Armadas (Marinha, Força Aérea e Exército), o que irá acontecer porque, nos últimos três anos, foi possível fazer “o reequilíbrio das contas públicas, definir rácios para pessoal, operação e manutenção e investimento”, para que “minimizemos as restrições que tivemos”.

No passado domingo, no seu discurso nas comemorações do Dia do Exército, em Beja, o CEME assumiu o compromisso de “pugnar pela estabilidade das condições estatutárias” do Exército, pela “busca de soluções para desbloquear as promoções e o congelamento da progressão nas carreiras e ultrapassar os constrangimentos orçamentais que afetam o treino operacional e a participação em exercícios internacionais”.

Em reação, Aguiar-Branco disse que as Forças Armadas “têm respondido a todas as missões a que são chamadas” e “respeitado todos os compromissos internacionais, dentro de um quadro mais exigente, definindo prioridades, racionalizando, mas conseguindo fazer tudo isso com segurança”.

O treino e a participação em missões internacionais dos três ramos das Forças Armadas são “um objetivo do Governo, que tem sido assegurado e só vai ser reforçado agora, porque, com a reforma 20-20, temos maior capacidade operacional”, explicou.

Aguiar-Branco disse também que o Governo PSD/CDS-PP “herdou” a situação de congelamento das promoções do anterior Governo PS, a qual “descongelou desde o início” e, por isso, “as promoções têm acontecido com a normalidade que devem acontecer”.

Por Luís Miguel Lourenço, da agência Lusa

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)