O Exército ucraniano denunciou este domingo a existência de “intensos” movimentos de tropas e equipamento militar russos na zona controlada pelos separatistas no leste da Ucrânia.

“Há uma intensa deslocação de equipamento militar e pessoal do inimigo do território da Rússia para o território temporariamente controlado pelos separatistas”, afirmou um porta-voz do Exército em Kiev, Andriy Lysenko, citado pela AFP, no dia em que os ucranianos das regiões controladas pelos rebeldes pró-russos vão a votos.

As regiões separatistas pró-russas de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, votam este domingo para escolher os presidentes e parlamentos regionais, numa eleição que visa legitimar a independência declarada unilateralmente mas é considerada ilegal por Kiev.

Ao lado do Governo ucraniano, ONU, União Europeia, NATO e vários países ocidentais asseguram que o voto separatista viola a legislação ucraniana e mina os esforços que conduziram à assinatura de um memorando de paz em setembro.

A Rússia, em contrapartida, é o único apoio dos separatistas, tendo afirmado, pela voz do ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, que “reconhecerá naturalmente” os resultados.

Entretanto, dois soldados morreram esta manhã devido à explosão de um carro-bomba num posto de controlo junto à cidade de Mariúpol, no leste da Ucrânia, informou o Conselho de Segurança Nacional e de Defesa (CSND) ucraniano.

Os comícios nas zonas controladas pelos separatistas foram declarados ilegais pelo governo da Ucrânia, cujo serviço de segurança instaurou hoje um processo contra os seus organizadores por “atentado contra a ordem constitucional” e “intenção de usurpação do poder”.