A Autoridade Nacional de Proteção Civil alertou hoje para a possibilidade de inundações, nomeadamente nas zonas históricas, de criação de lençóis de água nas estradas e de queda de árvores e ramos na sequência do mau tempo previsto. O alerta é destinado sobretudo às zonas do litoral norte e centro, mas alarga-se a todo o país, devido às previsões de chuva persistente e por vezes forte desde o início da tarde de hoje e até ao final do dia.

Além disso, lembra a Proteção Civil em comunicado, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera previu também vento forte com rajadas no litoral e nas terras altas do norte e do centro e agitação marítima na costa ocidental. Face ao mau tempo esperado, a Proteção Civil avisa que poderão ocorrer “dificuldades de drenagem em sistemas urbanos”, sobretudo durante a preia-mar, o que poderá provocar inundações. Os locais mais vulneráveis são as zonas históricas, acrescenta a entidade.

Para as cidades, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alerta para possíveis “cheias rápidas por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem” e para a “possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água” nas zonas históricas. Além disso, os condutores também poderão encontrar o “piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água” e danos causados “em estruturas montadas ou suspensas”.

O vento forte e com rajadas também poderá causar queda de ramos ou árvores, refere. O instituto meteorológico colocou hoje sete distritos do norte do país em alerta laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, devido a chuva forte e persistente. Os distritos em causa são Viseu, Porto, Vila Real, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga, estando acionado o aviso para uma “situação meteorológica de risco moderado a elevado” até à meia-noite.

Em alerta amarelo estão os restantes 11 distritos de Portugal continental devido a previsão de rajadas de vento na ordem dos 80 km/hora, em especial no litoral, e de 95 quilómetros por hora nas terras altas, até ao final do dia, além da agitação marítima prever ondas de quatro a cinco metros.