O Estado Islâmico leva a sério o recrutamento de mulheres para as suas fileiras. Por isso, para além de uma agência específica para o género feminino, o Instituto Zawra, – cujo objetivo passa por “preparar as irmãs para os campos de batalha da jihad”-, os jihadistas criaram também uma escola para mulheres “que se interessem mais por cintos com explosivos e ataques suicidas do que por um vestido branco, um castelo, roupas ou mobílias”, de acordo com o site Vocativ. Agora, o Instituto Zawra lembrou-se de preparar dicas culinárias, divulgando o primeiro capítulo de um livro de cozinha destinado às mulheres do Califado.

A primeira receita desta espécie de Livro de Pantagruel do Estado Islâmico promete, de acordo com um fórum oficial dos jihadistas, citado pelo Vocativ, ser o snack ideal para uma pausa entre combates, uma vez que é rica em calorias e de fácil preparação. Trata-se de bolinhas de papa de tâmara que “devem ser acompanhadas por café ou água” e que permitirão “aumentar o poder e a força dos jihadistas” segundo a mesma publicação.

Algumas destas receitas poderão ser aprendidas na escola recém-criada, onde a oferta curricular vai além da cozinha. Há aulas de costura, primeiros socorros, lei islâmica e uso de armas. É ainda possível desenvolver competências em redes sociais e programas de computador para edição de vídeo e design. O Vocativ traduziu alguns dos conselhos para as mulheres que queiram ir para a fila da frente e juntar-se aos combates:

  • Estar em forma – “Dedica cerca de meia hora por dia a fazer jogging. Vai aumentando o número de quilómetros todos os dias para que não sejas um peso nas costas dos irmãos jihadistas”;
  • Ver filmes no YouTube que expliquem como utilizar armas;
  • Aprender a coser – “Vais coser as roupas dos soldados de Alá. Vai ter com a tua mãe e pede-lhe que te ensine a usar uma máquina de costura”.