Mundo

Ordem dos Advogados do Brasil cria comissão para investigar período da escravatura

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou a criação de uma Comissão da Verdade para a Escravidão Negra no Brasil com o objetivo de resgatar a história e apurar injustiças ocorridas nesse período.

NIC BOTHMA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou hoje a criação de uma Comissão da Verdade para a Escravidão Negra no Brasil com o objetivo de resgatar a história e apurar injustiças ocorridas nesse período.

“Perceber o que aconteceu colocará o Brasil de frente para si mesmo, onde hoje existem cidadãos de duas categorias”, afirmou à Lusa o vice-presidente da OAB, Humberto Adami, referindo-se aos ecos que ainda podem ser observados na sociedade brasileira, apesar de terem passado 100 anos após a fim da escravidão no país.

O objetivo da comissão, segundo Adami, será resgatar a história dos negros escravizados em África e levados para o Brasil desde a primeira metade do século XVI, até 1888, quando a escravidão foi oficialmente extinta.

Para o advogado, o principal objetivo não é falar em reparação financeira, mas especialmente de uma reparação de valores intangíveis como a descoberta da própria cultura e das próprias raízes.

Adami prevê, por exemplo, a possibilidade de descoberta de locais emblemáticos, como já ocorreu por exemplo no Rio de Janeiro, onde foi descoberta uma antiga vala comum de escravos, na região conhecida como Cais do Valongo.

A ideia de fundar um grupo para estudar e apurar os factos ocorridos nesse período foi inspirada na Comissão Nacional da Verdade, criada pelo governo de Dilma Rousseff, para apurar os crimes cometidos durante a ditadura militar no país.

A previsão é de que os nomes que comporão a comissão sejam anunciados pelo presidente da OAB nos próximos dez dias.

A instituição pretende ainda enviar uma sugestão ao governo federal para a criação de uma comissão pública, em âmbito nacional, que possa trabalhar em consonância com a desenvolvida pela OAB.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

O poder mobilizador da rejeição /premium

Diana Soller

Um discurso negativo, de rejeição de alguma coisa, independentemente de ser factual ou inventado, tem muito mais impacto junto das populações que um discurso positivo, construtivo ou inclusivo.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)