O primeiro julgamento de uma série de investigações sobre corrupção no Executivo de Xanana Gusmão deveria ter começado esta segunda-feira e levaria ao banco dos réus a ministra das Finanças timorense, Emília Pires. A julgar o caso estaria um juiz português, Júlio Gante Costa. Tal como ele, os restantes portugueses expulsos estariam a investigar casos de corrupção contra pelo menos oito ministros de Timor Leste.

A notícia é avançada esta quarta-feira pelo Diário de Notícias e aponta que os portugueses fariam parte de uma operação “mãos limpas” que já decorria há três anos e estava a investigar vários membros do Executivo timorense. Pelo menos oito ministros eram suspeitos de corrupção, abuso de poder e participação económica em negócio.

Para além dos juízes e magistrados portugueses que teriam atuação concreta nestes processos, o jornal noticia ainda que José Brito, um subcomissário trabalhava na Comissão Anti-corrupção, fazia a ligação entre esta estrutura e a magistratura.

Outro dos temas a ser investigado pelos portugueses era o contencioso entre Timor Leste e empresas petrolíferas como a Conoco Phillips, em que estas pedem indemnizações ligadas à exploração petrolífera. Esta decisão de expulsão dos portugueses surge também numa altura em que os limites marítimos entre Timor Leste e a Austrália estão novamente em disputa.