Rádio Observador

Bolsa

Isabel dos Santos lança oferta de aquisição sobre a Portugal Telecom SGPS

380

Empresária angolana oferece 1,35 euros por cada ação da empresa portuguesa. A oferta totaliza 1.210 milhões de euros.

A oferta sobre a PT SGPS é geral

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Autores
  • João Cândido da Silva
  • Agência Lusa

A Terra Peregrin – Participações SGPS, da empresária angolana Isabel dos Santos, anunciou neste domingo o lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) geral e voluntária sobre a Portugal Telecom SGPS, oferecendo 1,35 euros por ação. O preço oferecido pela filha do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, avalia a empresa nacional em 1.210 milhões de euros.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Terra Peregrin, com capital social de 51 mil euros, representando por 600 ações ordinárias, “cujos direitos de voto são totalmente imputáveis a Isabel dos Santos e/ou uma ou mais sociedades”, fez hoje o anúncio preliminar de lançamento de oferta pública geral e voluntária da compra de ações representativas do capital social da PT SGPS.

“A contrapartida oferecida, a pagar em numerário, é de 1,35 euros por ação”, adianta o comunicado, e a instituição financeira que está a prestar apoio à operação é o Caixa Banco de Investimento, braço para a banca de investimento do grupo financeiro estatal português Caixa. A oferente compromete-se a “adquirir a totalidade das ações que forem objeto de válida aceitação pelos destinatários da oferta”. O preço, refere o documento da Terra Peregrin, “representa um prémio de 11% relativamente ao último preço de fecho das ações” na Euronext Lisbon. Na sexta-feira, os títulos da PT SGPS encerraram a sessão com a cotação de 1,217 euros.

O comunicado da empresa detida por Isabel dos Santos afirma que “tenciona manter as grandes linhas estratégicas” e “os objetivos inerentes aos acordos celebrados” entre a PT e a operadora brasileira Oi, um processo de fusão que está em curso e que foi perturbado com a divulgação de que a empresa portuguesa tinha comprometido perto de 900 milhões de euros da sua tesouraria em empréstimos à Rio Forte, unidade do Grupo Espírito Santo em processo de falência. Mas adianta, como condição para o negócio, que haja uma “suspensão imediata, até ao trigésimo dia posterior à liquidação física e financeira” da OPA, de deliberações que envolvam a fusão da PT com a Oi.

Nos termos da oferta pública de aquisição, a Terra Peregrin estabelece, entre as condições para a operação, a “obtenção de autorização” dos acionistas da PT, em assembleia geral, para alcançar uma participação superior a 10% das ações da PT, “sem o estabelecimento de qualquer outro limite ou condição”. A empresa compradora fixa, como meta mínima para a “eficácia” da oferta, a conquista de, pelo menos, 50,01% da empresa-alvo.

Como pressuposto da OPA, o documento entregue à CMVM refere, ainda, que “entre a presente data [9 de novembro de 2014] e a data de encerramento da oferta, não seja adquirida ou apresentada ou anunciada qualquer outra oferta para a aquisição de participação igual ou superior a 10%” do capital da Oi, da CorpCo”, designação da firma resultante da fusão entre a operadora do Brasil e a PT, “ou de sociedades que com elas se encontrem em relação de domínio ou de grupo”.

A oferta agora lançada segue-se ao interesse demonstrado pela Zopt, empresa detida pela Sonaecom e por Isabel dos Santos, para participar numa solução para o caso Oi/PT que “assegure o necessário compromisso de interesses, promovendo a defesa do interesse nacional”. Também a empresa francesa Altice avançou com uma oferta vinculativa de 7.025 milhões de euros para comprar os ativos da PT Portugal, a empresa que assegura os serviços de telecomunicações em Portugal e que é detida em maioria pelos brasileiros da Oi e em que a PT SGPS não possui posição direta. A PT SGPS tem atualmente apenas como únicos ativos a posição de 25% na operadora brasileira Oi e o crédito sobre a Rio Forte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)