Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os consumidores de gás natural poderão finalmente ter boas notícias em 2015, depois de quatro anos em que as tarifas sofreram um aumento acumulado de 17%, excluindo o efeito do agravamento do IVA.

De acordo com Francisco Rueda, da Endesa, se o atual nível de cotações do petróleo se mantiver até ao final do ano, a 80 dólares por barril, o preço do gás natural irá baixar em 2015. Os preços internacionais do gás seguem e evolução do petróleo, embora com um atraso de alguns meses. Mesmo o custo do gás vendido ao abrigo de contratos de longo prazo, como aqueles que Portugal tem com a Nigéria e Argélia, está indexado às cotações do petróleo.

No entanto, não é um dado adquirido que essa baixa do preço internacional do gás chegue ao consumidor português. Isto porque o mercado nacional está já em situação de défice tarifário e as comercializadoras do setor admitem que não têm margem para concorrer com preços mais baixos no mercado liberalizado. O tema esteve em debate no encontro anual da Associação Portuguesa das Empresas de Gás Natural (AGN) que se realizou quarta-feira no Centro Cultural de Belém.

O ministro do Ambiente e Energia, Jorge Moreira da Silva, anunciou há quatro meses uma descida do preço de gás natural no próximo ano que poderia chegar aos 5%, mas esta medida depende da redistribuição dos ganhos obtidos pela Galp Energia no mercado internacional, na venda de gás que não é consumido em Portugal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Num painel que reuniu comercializadores, Galp, EDP, Fenosa Gas Natural e Endesa, e os distribuidores, EDP e Galp foi reconhecida que a queda de consumo do gás em Portugal é um dos fatores de pressão sobre o preço final. As centrais de ciclo combinado, que eram as grandes clientes, estão praticamente paradas, e o abrandamento da economia atinge o consumo industrial. Sobra uma fatura maior para os clientes mais pequenos que ainda estão no mercado e que têm de pagar o gás, mas também o investimento feito em infraestruturas.

Luís Moura da distribuição da Galp alertou que é preciso ter muita cautela com novos investimentos no setor que tem de estar focado no controlo de custos e rentabilidade. O responsável reconheceu que o mercado do também tem sido afetado pela eletrificação do consumo de energia, em particular no segmento doméstico. Muito por via de novas normas de segurança, que reforçam a exigência na instalação e manutenção de equipamentos de gás, há construtores que simplesmente preferem apenas o fornecimento de eletricidade.

Apesar deste quadro de queda de consumo, todos os responsáveis sublinharam o sucesso da liberalização do mercado do gás natural que em três anos conseguiu que mais de metade dos consumidores saísse da tarifa regulada para um contrato. Ainda assim, e para passar para o próximo nível, todos os clientes devem estar no mercado até final de 2015, Pedro Pires João da EDP, defendeu uma maior agilização do processo de passagem dos clientes entre fornecedores e nas interações entre distribuidores e comercializadores. Se na eletricidade há apenas um distribuidor (a EDP Distribuição) no gás há várias distribuidoras regionais.