Astronomia

O “gémeo terrível da Terra” ajuda a compreender os fénomenos na atmosfera terrestre

Analisar os gases com efeito de estufa na atmosfera de Vénus pode ajudar a perceber que impacto tem o aumento destes gases na atmosfera da Terra e a estudar as atmosferas de exoplanetas.

Sonda Venus Express com o planeta Vénus (imagem artística)

ESA/Venus Express

“Vénus é o gémeo terrível da Terra”, diz ao Observador Pedro Machado, investigador no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA). Embora as dimensões e a gravidade à superfície sejam semelhantes nos dois planetas, em Vénus “o efeito de estufa é avassalador”, devido à grande quantidade de dióxido de carbono. A equipa que Pedro Machado lidera na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa deu mais um passo na investigação deste planeta, pela análise dos ventos na atmosfera.

O astrofísico reconhece os resultados agora publicados na revista científica Icarus vêm contribuir para a importância do estudo de Vénus. Por um lado, perceber o efeito de estufa causado pela quantidade de dióxido de carbono na atmosfera venusiana permite entender melhor os potenciais efeitos das alterações climáticas na Terra. Por outro, distinguir a atmosfera da Terra da de Vénus, com base na composição química, vai permitir caracterizar as atmosferas dos exoplanetas e distinguir os que são comparáveis à Terra dos que são comparáveis a Vénus. Os exoplanetas têm um tamanho semelhante ao da Terra (e ao de Vénus) e localizam-se na região habitável das estrelas, mas conhecer a atmosfera vai permitir perceber se têm potencial para albergar vida (como a Terra) ou não.

À medida que a atmosfera aquece na zona do equador, o ar sobe em altitude e é transportado para latitudes mais altas (em direção aos polos). Isto acontece tanto na Terra como em Vénus, mas com algumas diferenças porque Vénus gira muito mais lentamente do que a Terra. Na atmosfera terrestre a circulação é feita em três células (em cada hemisfério), que funcionam como faixas paralelas ao equador, e onde o ar circula (sobe em altitude, dirige-se aos polos e volta a descer, já mais frio). Já na atmosfera de Vénus existe uma única célula em cada hemisfério que leva o ar a partir do equador em direção a cada um dos polos.

Telescópio Canadá-France-Hawaii_Jean-Charles Cuillandre-CFHT

Cúpula do Telescópio Canadá-France-Hawaii, no Havai – Jean-Charles Cuillandre/CFHT

Para conseguir medir esta circulação da atmosfera venusiana os investigadores combinaram a observação simultânea a partir da sonda Venus Express da Agência Espacial Europeia e do telescópio terrestre localizado no cume Mauna Kea, no Havai – Telescópio Canadá-França-Havai (CFHT). “Esta é a primeira vez que se fazem observações sincronizadas”, diz o investigador, acrescentando que desta forma os dados obtidos pelos equipamentos se complementam um ao outro. Os resultados da equipa portuguesa foram tão promissores que o método de sincronização entre os equipamentos espaciais e terrestres pode ser repetido para outras missões.

Em relação à sonda Venus Express, um dos âmbitos de investigação do projeto europeu Eurovenus, a equipa do IA espera poder voltar a fazer uma sincronização com um telescópio terrestre em 2015, mas não sabe se será possível – era suposto o combustível da sonda ter acabado em junho deste ano. A missão Venus Express termina quando o combustível terminar, mas neste momento não se sabe muito bem quando será.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)