António Costa aceitou responder a perguntas de jornalistas depois de discursar na comemoração da eleição como secretário-geral do PS. Com todas as perguntas centradas na detenção de José Sócrates, o ainda presidente da Câmara Municipal de Lisboa tentou dividir as águas entre os “sentimentos pessoais” e a necessidade da “ação política” que vai levar o PS até às eleições legislativas de outubro. Por isso fez questão de deixar a “homenagem a todos os antecessores no cargo de secretário-geral”, mas referiu apenas os nomes de Mário Soares e de António José Seguro.

“O PS não adota as más práticas estalinistas de eliminação da fotografia deste ou daquele.” Foi assim que António Costa se referiu às consequências para o partido da detenção de José Sócrates. Sem nunca referir o nome do ex-primeiro-ministro, o novo líder socialista desenvolveu a mensagem enviada sábado de manhã por sms aos militantes: “O PS assume toda a sua história e é solidário pessoalmente mas respeita escrupulosamente a forma independente como deve respeitar casos judiciais e que não caberá ao PS apreciar.” Ou seja, os tribunais devem fazer o seu trabalho e o PS deve distanciar-se desse processo, evitando o envolvimento partidário no caso. Até porque “não compete ao PS apreciar o que está em causa neste processo – num estado de direito é à justiça que compete a administração da justiça.” Costa ainda reforçou que “ninguém num estado de direito está acima da lei. Quem tenha cometido um ilícito, seja quem for, será julgado.”

Sempre repetindo a importância dos 41 anos de história do PS e a existência de uma agenda política própria que passa pela reconquista do Governo, o líder do PS quis deixar instruções claras de silenciamento às suas tropas – seguindo a mesma lógica de sábado de manhã. Isso explicou o quase silenciamento dos dirigentes partidários que, à exceção de Edite Estrela e João Soares, preferiram abster-se de comentar a detenção de Sócrates. E deverá explicar a manutenção desse mesmo silêncio, pelo menos até que se perceba se surge uma acusação formal a José Sócrates e qual será ela.