O ministro da Defesa português, Aguiar Branco, disse, em Díli onde hoje terminou uma visita de menos de 24 horas, que a relação de confiança entre Timor-Leste e Portugal existe e deve ser reforçada.

“A confiança é efetivamente um elemento fundamental e a minha visita e estas receções ao mais alto nível visam mostrar e reforçar essa componente da confiança. A relação entre povos faz-se com base na confiança e portanto esta visita e a possibilidade de ter sido recebido pelo senhor Presidente mostra e é um sinal de que essa confiança existe e deve ser reforçada”, afirmou Aguiar Branco.

O ministro da Defesa português falava aos jornalistas depois de uma visita de cortesia ao Presidente timorense, Taur Matan Ruak.

Em relação à área da Defesa, Aguiar Branco salientou que Portugal tem cooperado na construção de Timor-Leste desde há 12 anos de uma forma “muito programada”.

“A área da Defesa é um pilar do Estado e tive a possibilidade de dar nota que na nossa reunião de ontem (terça-feira) com o primeiro-ministro acertamos um conjunto de projetos a desenvolver nomeadamente na área de formação militar, com a criação de um centro de língua portuguesa, e também no que diz respeito à edificação da componente aérea e naval”, disse.

Para o ministro Aguiar Branco, o mais importante da visita foi a assinatura do protocolo para criar um instrumento reforçado para cooperação relacionado com a língua portuguesa.

“Isso foi o ponto principal desta visita. Evidente que a componente naval e aérea, que são embrionárias, têm por parte de Portugal uma atenção especial a pedido de Timor e é o que se vai desenvolver no quadro do programa estabelecido e assinado em fevereiro deste ano”, disse, acrescentando que a formação de militares ou jovens timorenses em Portugal está a ser “avaliada como prioridade”.

A deslocação a Timor-Leste terminou com uma visita do ministro ao Estado-Maior General das Forças de Defesa timorense e ao Instituto de Defesa Nacional.

Na terça-feira, Aguiar Branco esteve reunido com o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, que acumula também a pasta da Defesa, tendo assinado um memorando de entendimento para a criação de um centro de língua portuguesa no centro de formação militar de Metinaro.