505kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Portugal subiu dois lugares e estacionou em 31.º lugar na perceção da corrupção

Este artigo tem mais de 5 anos

Mas pouco. Numa escala de zero a 100, o setor público português registou 63 pontos, subindo dois lugares no ranking (31.º em 175 países). "Tem pouco significado", diz diretor executivo do TIAC.

i

NUNO VEIGA/LUSA

NUNO VEIGA/LUSA

Portugal classificou-se em 31.º na perceção da corrupção no setor público em 2014, revela o barómetro anual da Transparência Internacional, organização não-governamental contra aquele fenómeno, que avaliou um conjunto de 175 países em todo o mundo.

Relativamente a 2013, a perceção da corrupção em Portugal subiu dois lugares este ano, para se fixar com 63 pontos, na escala de zero a 100 pontos, um intervalo que vai desde o entendimento de país altamente corrupto até à existência de elevado grau de transparência.

“Esta subida de dois lugares tem, infelizmente, pouco significado. A nível de pontuação, Portugal melhorou um ponto, recuperando o resultado que tinha em 2012”, notou o diretor executivo da Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC), a representação portuguesa na Transparência Internacional.

João Paulo Batalha esclareceu que o registo de Portugal mostra que se chegou “ao limite daquilo que conseguiremos melhorar sem adotarmos uma estratégia coerente e continuada para o combate à corrupção em Portugal”.

Em referência à Operação Labirinto, relacionada com a concessão de vistos dourados e que resultou na detenção de altas figuras do Estado, e à prisão preventiva do ex-primeiro-ministro José Sócrates, o diretor executivo da TIAC assinalou que “os escândalos recentes revelam bem a fragilidade” de Portugal.

João Paulo Batalha considerou mesmo que os recentes casos judiciais, com indícios de corrupção e também branqueamento de capitais e fraude fiscal, “poderão ter um impacto muito negativo na reputação internacional” de Portugal e tal “poderá refletir-se no índice de 2015”.

“Temos um ano para provar que o nosso país está empenhado em combater a corrupção, dando à Justiça os meios necessários para atuar e criando mecanismos de integridade pública que assegurem uma economia mais limpa e uma sociedade mais justa, onde todos tenham a oportunidade de trabalhar, investir e criar riqueza sem recorrer a esquemas de facilitismo, acesso indevido e corrupção”, sustentou.

Portugal é o 17.º país europeu no relatório de perceção de corrupção, sendo precedido por países como Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega, Suíça, Holanda, Luxemburgo, Alemanha, Islândia, Reino Unido, Bélgica, Irlanda, Áustria, Estónia, França e Chipre.

O barómetro de 2014 da Transparência Internacional apresenta a Dinamarca e a Nova Zelândia como os países em que é menor a perceção de corrupção e Coreia do Norte e Somália como nações altamente corruptas.

Para a elaboração deste relatório anual, a Transparência Internacional utiliza dados de instituições independentes especializadas em análises sobre governabilidade e ambiente de negócios.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.