Rádio Observador

Crime Informático

O que se sabe do roubo de dados à Sony

Até 10 de dezembro foram divulgados dezenas de dados pessoais de figuras da indústria cinematográfica, uma pequena parte do total de informações roubadas à Sony pelos hackers "Guardians of Peace".

Os dados foram divulgados entre 24 de novembro e 10 de dezembro

AFP/Getty Images

A notícia já correu o mundo. Um grupo de hackers auto-intitulado “Guardians of Peace” (Guardiões da Paz) conseguiu entrar nas contas de email de vários funcionários e sócios da Sony Pictures e divulgar dezenas de dados pessoais de figuras da indústria cinematográfica, incluindo uma conversa entre Amy Pascal e Scott Rudin em que este chama a Angelina Jolie “uma pirralha mimada com um talento mínimo”.

Ao todo, foram publicados 11 terabytes de informação, com moradas, números de telefone, endereços de email e até o número de Segurança Social de Sylvester Stallone. Mas, de acordo com o jornal Le Monde, estes onze terabytes são apenas uma pequena parte das centenas de terabytes de dados roubados. Segundo a Newsweek, os piratas informáticos terão escolhido não publicar tanta informação de uma vez só, preferindo divulgá-la gradualmente.

Mas como é que esses dados foram divulgados? Primeiro, foram criados links para sites de download direto ou para arquivos torrent, que permitem baixar grandes arquivos RAR ou ZIP onde a informação foi armazenada. Estes foram depois colocados online através do Pastebin, um editor de texto que garante o anonimato dos utilizadores, e o respetivo link enviado por email para todos aqueles que tenham mostrado interesse na informação, através de uma mensagem enviada para os endereços temporários e anónimos dos “Guardians of Peace”.

Os dados estiveram disponíveis apenas por algumas horas, até que os links foram desativados e o documento do Pastebin apagado. Entre 24 de novembro e 10 de dezembro foram feitas seis divulgações deste tipo, sempre com a promessa de que “os dados que iremos publicar na próxima semana vai deixá-lo ainda mais entusiasmado”, como refere um documento divulgado no dia 5 de novembro no Pastebin.

Até ao momento não se sabe quais foram as verdadeiras motivações do grupo de hackers. Alguns órgãos de comunicação norte-americanos referiram que o ataque teria sido realizado por piratas informáticos norte-coreanos, como forma de retaliação ao filme The Interview, uma paródia ao regime de Kim Jong-un. Essa informação já foi porém desmentida por um dos agentes do FBI responsáveis pela investigação, que disse não ser possível atribuir a responsabilidade do ataque ao governo de Pyongyang. Em entrevista à Voice of America, um diplomata coreano negou qualquer envolvimento da Coreia do Norte no ataque à Sony.

Num documento divulgado a 9 de novembro, os membros do “Guardians of Peace” pediram à Sony para “parar imediatamente com a realização de um filme sobre o terrorismo, que pode acabar com a paz regional e causar uma guerra”, sem citarem o nome do filme em questão. De acordo com o Le Monde, os hackers terão também feito “um pedido claro” à equipa de gestão da Sony, ao qual não terão tido qualquer resposta. O conteúdo do pedido permanece desconhecido.

O jornal francês não põe de lado a hipótese de chantagem em troca de dinheiro. Para sustentar essa hipótese, refere um email enviado para os diretores da Sony Picutres alguns dias antes do ataque, em que os hackers referem ter como “causar um grande dano à Sony Pictures”. “Queremos uma compensação monetária. Paguem ou a Sony Pictures vai ao fundo”, pode ler-se na mensagem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
363

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)