Acordo EUA-Cuba

Acordo histórico entre EUA e Cuba

2.204

O embargo imposto em 1960 não foi oficialmente levantado, mas Obama diz que vai relançar o debate. EUA vão ter embaixada em Cuba e retirar país da lista das nações terroristas.

Getty Images

Autores
  • Catarina Fernandes Martins
  • Ricardo Oliveira Duarte

Um telefonema de 45 minutos resultou num anúncio histórico. Mais de 50 anos depois, os Estados Unidos e Cuba vão reiniciar relações diplomáticas, anunciaram esta quarta-feira o presidente norte-americano, Barack Obama, e o presidente cubano, Raúl Castro, em discursos simultâneos.

“Vamos pôr fim a uma abordagem datada que durante décadas falhou os nossos interesses. Vamos começar a normalizar as relações entre os dois países”, disse Obama, num discurso televisivo. O acordo, continuou, “vai dar início a um novo capítulo entre os países do continente americano”.

Os Estados Unidos vão reabrir a embaixada em Havana, encerrada há mais de meio século, rever a designação de Cuba como um Estado que apoia o terrorismo (o país foi colocado nessa lista em 1982) e aliviar as restrições a viagens e relações comerciais. Cuba comprometeu-se a libertar 53 prisioneiros identificados como presos políticos pelos Estados Unidos.

O embargo imposto pelos EUA em 1960 (que se tornou total um ano depois) não foi levantado, mas Obama promete lançar novamente o debate. “Estes cinquenta anos demonstraram que o isolamento não funciona”, disse o presidente norte-americano. “É tempo de uma nova abordagem”, continuou.

Ao mesmo tempo que Obama discursava, também Raúl Castro falava na televisão cubana. “Conseguimos encontrar solução para alguns temas que interessam aos dois países”, disse, pedindo ao povo cubano que respeitasse e reconhecesse a decisão de Obama. Mas o presidente cubano sublinhou que este acordo não resolvia “o principal problema”, ou seja, o embargo, que Raúl Castro designou de “bloqueio. “O bloqueio tem muitos prejuízos humanos e económicos para o nosso país e deve terminar”, disse.

O anúncio surge depois da libertação de Alan Gross, um construtor civil norte-americano preso há cinco anos em Cuba, que o acusava de espionagem. E é o desfecho de 18 meses de negociações secretas entre os dois países, mediadas pelo Vaticano. Gross chegou esta quarta-feira de manhã aos Estados Unidos. Os EUA enviaram para Cuba três espiões cubanos detidos desde 2001, em troca da libertação de um agente norte-americano preso na ilha há quase 20 anos. Gross não foi, segundo os EUA, parte desta troca e a sua libertação ocorreu por razões humanitárias. O construtor civil perdeu mais de 45 quilos na prisão e estava a perder a visão no olho direito. Em abril fez uma greve de fome que durou nove dias.

As relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba foram interrompidas em janeiro de 1961, dois anos depois da chegada ao poder de Fidel Castro. Em 2006, Raúl Castro sucedeu ao irmão Fidel à frente dos destinos do país.

O telefonema da noite de terça-feira entre Obama e Raúl Castro foi o primeiro contacto formal entre os líderes dos dois países em mais de cinquenta anos. A Casa Branca divulgou esta fotografia, tirada durante a conversa entre os dois presidentes.

Há um ano, os dois presidentes cumprimentaram-se durante as cerimónias fúnebres de Nelson Mandela na África do Sul.

JOHANNESBURG, SOUTH AFRICA - DECEMBER 10:  U.S. President Barack Obama (L) shakes hands with Cuban President Raul Castro during the official memorial service for former South African President Nelson Mandela at FNB Stadium December 10, 2013 in Johannesburg, South Africa. Over 60 heads of state have travelled to South Africa to attend a week of events commemorating the life of former South African President Nelson Mandela. Mr Mandela passed away on the evening of December 5, 2013 at his home in Houghton at the age of 95. Mandela became South Africa's first black president in 1994 after spending 27 years in jail for his activism against apartheid in a racially-divided South Africa.  (Photo by Chip Somodevilla/Getty Images)

Os republicanos norte-americanos ficaram em choque com o discurso de Barack Obama. O Politico escreve mesmo que a direita ficou “lívida” com a manobra do presidente para normalizar as relações com Cuba.

No entanto há sentimentos contraditórios entre os políticos republicanos porque, por um lado, foram vários os que manifestaram contentamento pela libertação do cidadão norte-americano Alan Gross, que esteve preso durante cinco anos em Cuba, por outro, os mesmos políticos lamentaram o que essa libertação significou, e houve mesmo quem falasse em “escândalo”, como foi o caso de Mario Diaz-Balart, deputado da Florida, porque, entende o republicano, a negociação da libertação fez com que o governo americano se vergasse perante a “chantagem” do regime castrista.

O senador Lindsey Graham, que é um dos porta-vozes do partido para assuntos de política externa, manifestou no Tweet a opinião: é uma péssima ideia.

Marco Rubio, senador e potencial candidato republicano à presidência, que é filho de imigrantes cubanos, em declarações à Fox News, disse que o facto de os EUA abrirem uma embaixada em Cuba não vai resultar em mais liberdade económica ou democracia no país. Rubio prometeu tentar desviar os esforços da Casa Branca acusando a administração de Obama de “acarinhar ditadores e tiranos”.

 

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)