No amor, na altura do adeus, há sempre um lado que sai mais leve. Normalmente há sempre um que segue a caminhada com o olhar desafogado, desempoeirado até, focado nos metros que tem à frente, esquecendo o retrovisor. Há sempre um que sente mais falta, que lembra mais vezes. É mais ou menos isso que acontece (e acontecerá?) no Benfica. Enzo Pérez partiu. O meio-campo ficou órfão do coração e da genialidade ao seu jeito deste argentino que seguiu para outras paragens. Na estreia pelo Valência, Enzo foi titular e ajudou o novo clube a travar o recorde do Real Madrid (2-1), que já levava 22 vitórias consecutivas. Enzo seguiu, o Benfica sente a sua falta. Sim, já não era o jogador colossal de antes, talvez a cabeça estivesse noutro lado, mas Enzo é Enzo. E o Benfica perdeu-o…

Esta noite, em Penafiel, o substituto do argentino foi Talisca, que fez parelha com Cristante. O brasileiro surpreendeu pela solidariedade e disponibilidade física e tática para cumprir este papel tão difícil e chave no Benfica de Jesus, mas com a bola no pé voltou a não ser o jogador mais clarividente. Já que falávamos de amor, porque não mencionar uma reconciliação? Talisca voltou a marcar. Não acontecia há dois meses, numa altura em que resolveu contra o Mónaco. Os campeões nacionais venceram no terreno do Penafiel (3-0) e voltam a fugir ao pelotão — seis pontos para o FC Porto.

PENAFIEL: Coelho, Tony, Ferreira, Bura, Vítor Bruno, Rafa, Romeu Ribeiro, João Martins, Quiñones, Rabiola, Aldair

BENFICA: Júlio César, Maxi, Lisandro, Jardel, André Almeida, Cristante, Ola John, Talisca, Gaitan, Jonas, Lima

O jogo começou equilibrado, aberto, mas muitas vezes mal jogado. Houve muito pontapé para a frente e fé em Deus, como se costuma dizer. O Penafiel de Rui Quinta, ex-adjunto de Vítor Pereira no FC Porto, até inventou alguns espaços nas linhas, com Aldair e Quiñones em destaque. Do outro lado, os visitantes apresentavam um futebol de acordo com a cor do equipamento: preto. A coisa não está famosa. A bola já não responde como antes, a fluidez da equipa está a anos-luz do que foi e já não existe o controlo de outrora. Hoje em dia parece que qualquer equipa discute os jogos com este Benfica. E foi isso que se viu, pelo menos até à expulsão de Tony, mas já lá vamos.

Cristante foi o trinco, e até apareceu melhor do que tem sido habitual. Bom toque de bola e qualidade de passe, mas continua lento e com muitos problemas quando se depara com alguém rápido e chato, digamos assim. Ola John queria mostrar serviço, mas, como um garoto que não aprende, cai sempre no mesmo erro: fintar, fintar, fintar, fintar… Este holandês tem talento nos pés, mas decide o pior cenário muitas vezes. Demasiadas. Não fossem alguns sururus entre André Almeida e Rabiola e Maxi com Vítor Bruno e pouca coisa haveria para mexer com os nervos neste arranque.

A velocidade e intensidade do início foram caindo. Mas quem tem craques arrisca-se a ser feliz a qualquer hora do dia. Foi o que aconteceu aos 36′. Gaitán recebeu, perto da linha do meio-campo, levantou a cabeça e enviou uma bola para muito longe, com GPS e tudo. O destino foi o pé de Lima, que fez uma receção de alto gabarito. Com a bola rente à relva, fingiu que ia rematar com a canhota e sentou um defesa. Na cara de Coelho, sacou da cartola uma… maravilhosa assistência para Talisca, que chegava vindo de trás. Lima picou por cima de um defesa e o médio que fez de Enzo encostou, 1-0.

A segunda parte começou praticamente com um golo anulado ao Penafiel. Um livre lateral encontrou a cabeça de Rabiola e a bola acabou a sacudir as redes, mas o avançado formado no Vitória de Guimarães estava em fora de jogo. Decisão correta dos homens que estão sempre debaixo de fogo.

A calma invadiu a partida. Tornou-se um jogo enfadonho, desinteressante. O Benfica não tinha arte nem engenho para criar oportunidades contra um competente Penafiel na hora de se fechar. Mas no ataque o problema do Benfica era contagioso. Da bancada chegava “És o nosso rei, Eusébio. És o nosso rei, Eusébio…” Amanhã, segunda-feira, fará um ano da morte do King e o Observador terá um trabalho sobre a Lisboa de Eusébio.

O equilíbrio continuava a ser o doce da casa. Mas por baixo, claro está. Foi um daqueles jogos que se diz “não foi grande espingarda”. Aos 65′, Tony complicou a vida a Rui Quinta, ao ver o segundo cartão amarelo por agarrar a camisola de Jonas. Para arrumar as peças do tabuleiro, Quinta retirou do campo Aldair, um nome especial para os adeptos benfiquistas, e colocou em campo Dani. O Penafiel continuaria sólido a defender, mas não por muito mais tempo.

Aos 76′, Lima ameaçou o segundo, depois de um cruzamento carregado de açúcar de Gaitán (who else?). Mas, somente um minuto depois, os adeptos que estavam no 25 de Abril voltariam a berrar a uma só voz, cortesia de Jonas. Ola John, pela direita, encarou os defesas e esperou pelo apoio do lateral. Maxi entrou no espaço e a bola obedeceu à movimentação. O uruguaio cruzou em desequilíbrio e beneficiou de um desvio de um defesa, agradeceu Jonas, que estava ao segundo poste e encostou com o peito, 2-0. Quando tudo estava ainda mais pacífico, a caminhar calmamente para o apito final, os encarnados voltaram a marcar (88′). Gaitán, mais uma vez, bateu o canto e Jardel, nas alturas e perante a passividade alheia, encostou de cabeça, 3-0.

Ponto final em Penafiel. O resultado, três-zero, é agora o mais visto entre estas duas equipas no Estádio Municipal 25 de Abril. A primeira vez aconteceu em dezembro de 1981: Nené, Jorge Gomes e Humberto Coelho assinaram os golos (Baróti era o treinador). A segunda teve lugar dois anos depois, com Filipovic e Diamantino, em dose de dupla, a vestirem a capa de heróis. Eriksson era o mister.