O vice-presidente coordenador da Comissão Política nacional e porta-voz do PSD, Marco António Costa, assegurou este domingo que “a Madeira nunca será um peso” para o país.

“A Madeira não é, não foi, nem nunca será um peso para os portugueses do continente”, disse o responsável social-democrata na sessão de encerramento do XV Congresso Regional do PSD que confirmou a liderança de Miguel Albuquerque após as eleições internas no partido.

Depois de referir o esforço que o Governo da República tem vindo a fazer desde 2011 para fazer sair o país da grave situação económica e financeira, Marco António Costa criticou o PS por ser “uma oposição omissa”, “taticista”, “generalista” e “vaga”, defendendo que Portugal exige que a oposição assuma uma postura de diálogo.

Numa alusão às eleições legislativas nacionais e ao esforço empreendido pelo Governo da República, Marco António Costa lembrou que a “oposição deixa sempre pesadelos para os outros resolvê-los”.

“Os portugueses preferem um pássaro na mão do que dois a voar”, declarou.

O dirigente partidário revelou que a 21 de janeiro “o PSD inicia mais uma etapa de esclarecimento rumo ao crescimento e o emprego”, que poderá ser estendida à Madeira e aos Açores.

Marco António elogiou o processo eleitoral no PSD da Madeira e a sua unidade, tendo manifestado “todo o apoio” do partido a nível nacional para “os desafios” da Região.

“Podem contar com o PSD nacional para todos os desafios que têm pela frente”, realçou.

“As próximas eleições regionais são o primeiro passo de uma grande vitória do PSD em 2015. Vocês são a guarda avançada do PSD”, concluiu.

O congresso aprovou por unanimidade e aclamação uma proposta de eleição Alberto João Jardim para presidente honorário do partido após 40 anos de liderança.