As autoridades belgas anunciaram esta sexta-feira a detenção de 15 pessoas com ligações a células terroristas, avança a Associated Press. Treze foram detidos em território belga, enquanto os outros dois foram capturados em França. Esta sexta-feira tem sido agitada, depois de duas detenções em Berlim12 em Paris, que se juntaram a um falso alarme de bomba numa estação de comboio da capital francesa.

A investigação das autoridades antiterroristas arrancou no seguimento do tiroteio em Verviers, na quinta-feira, que culminou com a morte de dois terroristas que planeavam atacar Bruxelas. Eric Van der Sypt, um magistrado federal belga, confirmou que foram encontradas quatro Kalashnikov nas buscas. Sypt disse ainda que o objetivo dos terroristas passava por um atentado contra a polícia belga, fosse na rua ou nos escritórios e esquadras. Este magistrado chegou a usar a expressão “para matar polícias”.

Mas há outro caso que promete embaraçar as forças de segurança da Bélgica, nomeadamente os serviços secretos e a segurança nos aeroportos. Um rapaz que se apresenta como Abu Mariya Belgiki ridicularizou, no Twitter, as autoridades belgas porque passou no aeroporto de Bruxelas “como uma faca corta manteiga”, conta o Daily Mail. Este será porventura um nome de guerra, pois Belgiki significa Bélgica em árabe. Pior, acusou-os de serem “provavelmente os mais burros do mundo”. Tudo porque terá regressado da Síria, onde terá estado a combater ao lado do Estado Islâmico. O paradeiro é incerto. Após os ataques de Paris, Abu Mariya perguntou “o que estão à espera os irmãos na Bélgica?” 

As outras mensagens com tom jocoso aconteceram seis dias antes de dois jihadistas serem mortos na Bélgica, numa operação que, segundo as autoridades, serviu para evitar uma segunda versão dos atentados em Paris. “Não quero ofender os sentimentos de ninguém, mas os serviços secretos belgas são provavelmente os mais preguiçosos e os mais burros do mundo”, escreveu Abu Maryia.

https://twitter.com/Fawzia786/status/556046069386461184

A sua conta no Twitter — @LemonNigga — está suspensa. “Mantiveram-me sob vigilância desde os 14 anos”, escreveu, para depois fazer a tal analogia entre a faca e manteiga e a facilidade que sentiu no aeroporto de Bruxelas. Este jovem, cuja idade não sabe ainda, deixou outras publicações nas quais celebrava os atentados de Paris, que culminaram em 17 mortes. Segundo várias contas no Twitter, surgiu há poucos dias um novo perfil que será de Abu Mariya Belgiki: @treecatapple.

O Daily Mail dá conta ainda das queixas deste jihadista, nomeadamente quanto aos ataques aéreos da coligação ocidental. Mas também se regozija sobre o facto de o Estado Islâmico ter em sua posse metralhadoras norte-americanas. E até deixou pistas: segundo o jornal inglês, e pouco antes de a sua conta ser encerrada (9 de janeiro), Abu Mariya deixou a entender que estava em marcha um ataque ao Egito. “Brevemente terão fantásticas notícias da terra do Egito… Estamos a chegar para abanar o trono de Sisi”, escreveu, numa referência que estará associada ao presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi.

https://twitter.com/treecatapple/status/555076191133380609

https://twitter.com/treecatapple/status/555051224920510464