A agência de notação financeira DBRS considerou esta sexta-feira que a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo catalão CaixaBank sobre os 55,9% do capital do BPI que não controla apresenta alguns riscos, mas faz sentido estratégico.

“A DBRS espera que, caso a transação seja feita, o banco [CaixaBank] vai beneficiar a médio-prazo do alargamento das suas receitas e diversificação geográfica através das operações do Banco BPI em Portugal e em Angola”, lê-se numa nota de análise hoje libertada.

Ainda assim, “ao mesmo tempo, o perfil de risco do CaixaBank vai subir consideravelmente, já que o banco vai ficar exposto aos desenvolvimentos regulatórios, económicos e soberanos nesses países, o que poderá afetar a sua rendibilidade”.

A agência de ‘rating’ realçou que, apesar disto, como o CaixaBank já está envolvido com o BPI há muito tempo, e dada a continuada melhoria dos seus fundamentais, “os riscos são geríveis”.

O CaixaBank está presente na estrutura acionista do BPI desde 1995 e tem estado envolvido na gestão do banco português desde então.

A DBRS considera que o CaixaBank vai ajudar o BPI a reduzir custos e a realizar sinergias, que poderão rondar os 130 milhões de euros por ano a partir de 2017.

Caso a OPA sobre o BPI seja bem-sucedida, a exposição do CaixaBank a Portugal terá um peso aproximado de 9% (em termos dos ativos e créditos agregados entre as duas entidades), enquanto a exposição a Angola rondará os 2%, especificou a agência de notação financeira.

O CaixaBank anunciou na terça-feira a intenção de adquirir a maioria do capital do BPI por 1,329 euros por ação, num total de 1,082 mil milhões de euros.

O banco catalão é o maior acionista do BPI, contando com quatro membros no Conselho de Administração do banco português, seguindo-se a empresária angolana Isabel dos Santos, através da Santoro, com 18,6%, e o Grupo Allianz, com 8,4%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR