O editor do jornal russo Novaya Gazeta diz ter documentos oficiais que provam que o Presidente russo Vladimir Putin aprovou a invasão da Crimeia, no sul da Ucrânia, “semanas” antes da queda do Governo Viktor Yanukovych.

Dmitry Muratov, que em 2007 foi distinguido pelo Committee to Protect Journalists, mencionou os documentos durante uma entrevista à rádio Echo of Moscow e disse ter confiança na sua autenticidade, relata o Miami Herald. O editor do Novaya Gazeta planeia publicar o conteúdo dos documentos durante a próxima semana.

Por agora, adiantou que os documentos governamentais parecem ter sido redigidos entre 4 e 15 de fevereiro, ainda o ex-presidente Viktor Yanukovych, pró-Rússia, estava no Governo. A deposição na sequência da revolução ucraniana aconteceu a 22 de fevereiro de 2014. O referendo sobre o estatuto da Crimeia aconteceu cerca de três semanas depois.

Muratov disse que a estratégia prévia incluía planos sobre partir a Ucrânia em setores autónomos e imediatamente a seguir unir o sudeste ucraniano à união fiscal russa, com um plano de anexação a longo prazo. O documento estratégico menciona a necessidade de uma campanha de relações públicas para justificar a intervenção do Kremlin. A confirmar-se a autenticidade, as justificações dadas por Putin para anexar a Crimeia ficam comprometidas.