É a mais recente dor de cabeça grega. Uma entrevista dada pelo ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, ao jornal italiano Corriere della Sera, e publicada este domingo, está agora no centro das atenções. Em vésperas de nova reunião do Eurogrupo, Yanis Varoufakis terá admitido a realização de novas eleições ou, segundo interpretou o jornal italiano, de um referendo à permanência no euro, caso a Grécia venha a falhar um acordo com a Europa. Mas não foi isso que Varoufakis diz que disse. O ministério das Finanças grego exige ao jornal que reponha a verdade.

Depois de publicada a entrevista, com o título “Varoufakis: Se a UE não aceitar plano da Grécia? Propomos convocar um referendo sobre o euro”, o ministério das Finanças grego apressou-se a acusar o Corriere della Sera de ser sensacionalista (de praticar yellow journalism) e a exigir que o jornal restaurasse imediatamente a verdade. Segundo se lê num comunicado do ministério, Varoufakis terá sublinhado várias vezes durante a entrevista que o lugar da Grécia é dentro da zona euro e que, em nenhum momento, a hipótese da saída da Grécia da moeda única entrou nas negociações com os credores europeus.

Num comunicado citado pela agência Bloomberg, as Finanças gregas esforçam-se por esclarecer o mal-entendido, explicando que as palavras “sobre o euro” foram acrescentadas pelo próprio jornalista, quando o que Varoufakis disse foi apenas que, caso o Governo grego não chegue a acordo com a Europa, não está “agarrado ao lugar” e admite “novas eleições ou um referendo”. Acontece que o referendo seria sobre o conteúdo das propostas e política fiscal defendidas pelo Governo do Sirysa e não sobre a permanência no euro. Ou seja, ao acrescentar a referência à moeda única na citação, o jornal deu um sentido diferente à frase, alega o Governo grego.

E para dar mais força à tese, o porta-voz do ministério das Finanças recorda no mesmo comunicado o que defendeu Varoufakis este sábado em público, à margem de um congresso em Veneza, onde reiterou que a Grécia não está a negociar a sua posição na zona euro – e que qualquer discussão a esse respeito entra em conflito com os interesses da Grécia, mas também da Europa como um todo.

O título do Correiere della Sera, que entrevistou o governante grego em Veneza, rapidamente correu mundo e foi reproduzido pelos media europeus. A bronca rebentou. A última vez que um governo grego quis fazer um referendo à moeda única foi quando o então primeiro-ministro, George Papandreou, lançou o pânico entre os parceiros da zona euro ao propor em 2011 referendar os termos do segundo resgate ao país. Perante a pressão europeia, Atenas desistiu.

Entretanto no início da tarde, o jornal italiano mudou o título, passando a referir-se a outra parte diferente da entrevista: “Varoufakis: Atenas não vai pedir novos empréstimos”. O ângulo é agora diferente, com os jornalistas a virarem o foco para o facto de Varoufakis dizer que o Banco Central Europeu está “muito mais exigente” com a Grécia agora do que foi em 2012, quando o Governo grego era liderado partido conservador Nova Democracia.

Certo é que o timing do mal-entendido não podia ser pior para a Grécia. É que as negociações com o Eurogrupo são retomadas já nesta segunda-feira, acreditando-se que em causa na reunião entre os ministros das Finanças deverá estar uma proposta de regresso da Troika a Atenas para avaliar as disponibilidades financeiras do Estado grego.