O mais alto líder militar chinês acusado de corrupção, o antigo general Xu Caihuo, morreu no domingo vítima de cancro, anunciou hoje a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

De acordo com a lei chinesa, os procuradores militares decidiram não processar judicialmente Xu Caihuo, mas irão tratar dos ganhos ilegais que ele obteve, disse a Xinhua, citando um comunicado da procuradoria-geral militar.

Xu Caihuo, 72 anos, foi vice-presidente da Comissão Militar Central entre 2007 e 2012, ocupando então o segundo lugar da hierarquia militar chinesa, logo a seguir ao secretário-geral do Partido Comunista e Presidente da Republica.

Há cerca de seis meses, ao anunciar a prisão de Xu Caihuo, a direção do PCC acusou o antigo líder militar de se ter “aproveitado da sua posição para apoiar a promoção de outras pessoas” e de “receber grandes somas de subornos, pessoalmente e através da sua família”.

Xu Caihuo foi depois expulso do PCC e despromovido.

Com um antigo chefe da Segurança, Zhou Yongkang, Xu Caihuo foi o mais destacado líder comunista atingido pela campanha anticorrupção em curso na China desde que o atual presidente, Xi Jinping, assumiu a liderança do PCC, em novembro de 2012.

Mais 29 oficiais superiores das Forças Armadas chinesas foram entretanto acusados de corrupção.