A democracia nem sempre consegue evitar que subam ao poder “políticos de pouca diligência, de débil caráter, o puro sacana, o velhaco”. É esta a opinião de Miguel Cadilhe, antigo ministro das Finanças, admitiu na noite de segunda-feira numa intervenção no Clube de Pensadores, em Vila Nova de Gaia, que “por vezes a democracia escolhe pessoas que não prestam”.

Cadilhe apelou à audiência para que se olhe para a política num nível superior, reconhecendo que a democracia não se cinge à sua personificação por líderes políticos como António Costa ou Passos Coelho – “pessoas de bem”. O ex-ministro sugere que é preciso “olhar como do cimo da montanha” para a política e para o sistema democrático.

“É preciso explicar do ponto de vista do bom funcionamento da democracia, o quase zero de reformismo de estado nos quatro anos que passaram”, afirma. “As eleições de 2015 que estão aqui à porta nada vão tratar de resolver, infelizmente”.

A falta de reformas do Estado nos anos passados é, de acordo com Miguel Cadilhe, um problema bastante “grave” e “muito delicado”.