Rádio Observador

Comissão de Inquérito BES

José Guilherme diz que já perdeu 25 milhões com queda do BES

179

Empresário diz que via o BES e o GES como "verdadeiros parceiros de negócios" e que, com a resolução do BES, já perdeu cerca de 25 milhões de euros. Leia aqui as respostas à comissão.

José Carlos Pratas/Global Imagens

O empresário José Guilherme não foi à comissão de inquérito à gestão do BES e do GES , mas já enviou as respostas às perguntas dos deputados. Nessas respostas, o empresário diz que perdeu cerca de 25 milhões de euros com a resolução do BES e que atualmente está em negociações com o Novo Banco para reestruturar a dívida de 121 milhões de euros que mantém.

Ao longo dos anos, sublinha José Guilherme, o BES e o GES foram “verdadeiros parceiros de negócios” e Ricardo Salgado foi o homem que lhe deu “conselhos” para investir em Angola e não noutros países. No entanto, o empresário recusa falar da alegada “prenda” que terá dado ao anterior presidente do BES, no valor de 14 milhões de euros.

“Com a resolução determinada pelo Banco de Portugal já perdi cerca de 25 milhões de euros, podendo vir a perder muito mais”, escreve José Guilherme. Em causa, estão sobretudo investimentos em títulos da dívida do GES e em outras empresas do grupo, mas, esclarece o empresário, não se trata de compra de papel comercial. “Ao longo do tempo investi em ações, obrigações e unidades de participação de diversas entidades do GES e do BES. Creio que nunca investi em papel comercial”, responde.

Antes da divisão do BES em dois, o empresário diz que a dívida nominal, de responsabilidade de entidades por si dominadas ou dominadas por terceiros a que deu garantia pessoal, “era de cerca de 121 milhões de euros”, um valor inferior aos 204 milhões registados no final de 2012. José Guilherme diz então que o remanescente tem sido pago “à razão de cerca de 12 milhões de euros/ano, entre 2012 e agosto de 2014”.

Contudo, tendo em conta que ainda tem uma dívida para pagar, José Guilherme diz que está em negociações com o Novo Banco para encontrar uma solução. Na justificação para o pedido de reestruturação da dívida de que é responsável, o empresário lembra que a resolução fez com que caíssem algumas entidades a quem deu garantias pessoais e, além disso, justifica-se com a situação atual de Angola:

Por razões atinentes, por um lado, ao não cumprimento – em decorrência da Resolução do BES e subsequentes insolvências das empresas do GES – de compromissos que haviam sido assumidos comigo pelo BES e empresas/responsáveis dos GES relativamente a negócios realizados com crédito do BES concedido ou mantido a pedido e no interesse daquelas entidades, e da situação em que, pelas mesmas razões, caíram pessoas e empresas terceiras cujas responsabilidades avalizei pessoalmente perante o BES e, por outro lado, em face da situação económica de Angola (…), constatei como imperiosa a necessidade de encontrar uma solução de acordo de restruturação da dívida perante o Novo Banco”.

As dificuldades em pagar a dívida e a necessidade de a reestruturar surgiu, diz, “pouco tempo depois da Resolução do BES” ou seja, em agosto do ano passado. José Guilherme adianta que partiu dele a iniciativa de falar com o Novo Banco e que as conversações têm sido mantidas desde então.

“De lá para cá foram mantidas conversações com o Novo Banco e prestadas todas as informações solicitadas para encontrar uma solução. Aguardo, neste momento, uma proposta do Novo Banco com vista à determinação da dívida pela qual devo efetivamente ser considerado responsável perante o Novo Banco, e à restruturação da mesma”, escreve.

Nas respostas, o empresário afirma ainda que não pode responder sobre a prenda que alegadamente terá dado a Ricardo Salgado, no valor de 14 milhões, porque a investigação está em segredo de justiça, e apenas adianta que o banqueiro lhe deu alguns conselhos, nomeadamente o de investir em Angola. José Guilherme admite que a relação com o BES/GES era próxima: “Via o BES e o GES como verdadeiros parceiros de negócios e sei que era assim que aquelas entidades também me viam”.

As respostas do empresário aos deputados chegaram dias depois de a comissão de inquérito ter fechado o período de audições dos responsáveis. José Guilherme foi chamado a prestar esclarecimentos ao vivo na Assembleia da República, mas recusou responder presencialmente aos deputados alegando problemas de saúde acrescidos ao facto de viver em Angola e das deslocações serem dolorosas. Entretanto, durante o mês de março esteve em Portugal e não informou os deputados desrespeitando a convocatória do Parlamento. Tendo em conta a recusa, a comissão de inquérito fez queixa ao Ministério Público uma vez que pode estar em causa um crime de desobediência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)