O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou esta segunda-feira que o partido se pronunciará “no momento próprio” sobre candidatos às eleições presidenciais, recusando-se a falar “em abstrato” sobre possíveis candidaturas, como a de Sampaio da Nóvoa, empurrando assim um eventual apoio socialista ao ex-reitor da Universidade de Lisboa para futuro.

“O PS não se pronuncia antecipadamente nem em abstrato sobre candidatos. Pronunciar-nos-emos no momento próprio, quando houver candidaturas”, disse António Costa que falava aos jornalistas no Instituto Superior Técnico, após a apresentação do projeto de reconversão da antiga gare do Arco do Cego num centro académico. E acrescentou que “quanto às eleições presidenciais em primeiro lugar é uma decisão dos próprios. E em função […] das candidaturas que surgirem, o PS no momento próprio tomará as suas decisões”, frisou António Costa.

A questão coloca-se depois de o Expresso dar conta que a candidatura de Sampaio da Nóvoa contava com o futuro apoio do PS. Essa é uma decisão que Costa adia agora e que está a dividir os socialistas. Antes de António Costa, só houve uma pronúncia pública de um dirigente socialista, Sérgio Sousa Pinto, que arrasou o ex-reitor da Universidade de Lisboa.

O secretário-geral do PS disse ainda que nesta altura a prioridade do partido é “preparar as eleições legislativas”, nas quais é candidato a primeiro-ministro.

Já este fim-de-semana, o ex-líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho sugeriu que o partido fizesse eleições primárias para escolher o candidato presidencial, mas só depois das legislativas.