Manuel Maria Carrilho defende que a única maneira de o PS não ser altamente prejudicado nas eleições legislativas com o caso da prisão de José Sócrates é abrir caminho à expulsão do ex-primeiro-ministro do partido. Essa iniciativa deve partir do líder socialista António Costa, disse Carrilho numa entrevista publicada esta terça-feira no Diário de Notícias. “Não tenham ilusões, só esse ato redimirá o PS aos olhos do país”.

“É preciso preparar a inevitável proposta de expulsão de Sócrates do PS. A iniciativa, a meu ver, devia ser do próprio secretário-geral do PS. Todos sabemos que António Costa foi o número dois de Sócrates, e por isso também ele, como todo o país e a imensa maioria do PS, só se pode sentir traído, enganado”, afirmou numa entrevista concedida a propósito do lançamento do seu novo livro “Pensar no que lá vem”.

Carrilho acredita que o caso da detenção de José Sócrates pode ter repercussões negativas quando o PS for a votos no final do ano, e que, por isso, o partido precisa de “preparar” para fazer frente a uma eventual condenação do socialista que confirme a detenção preventiva em novembro. Como? Riscando o rosto de Sócrates da fotografia para “provar” que o partido “põe os interesses do país à frente das amizades e cumplicidades partidárias”. “Só esse ato redimirá o PS aos olhos do país”, defendeu.

“Digo mais: sem prejuízo da presunção de inocência a que Sócrates tem um inquestionável direito, é bom que os participantes da ‘procissão’ a Évora se preparem para, caso venha a haver condenação para justificar oficialmente a sua detenção preventiva, terem de pôr o país e os supremos interesses dos portugueses à frente de legítimas amizades pessoais ou de naturais cumplicidades partidárias”, disse.

A este propósito, o ex-ministro da Cultura lembrou as “divergências políticas de fundo” que sempre teve com José Sócrates, quer durante os dois governos de António Guterres, que ambos integraram, quer em 2004, na altura em que Sócrates se candidatou à liderança do partido. “Sempre pensei que um indivíduo com as características políticas e éticas de Sócrates não devia ser líder do PS e muito menos primeiro-ministro de Portugal”, afirmou, apontando a “inércia política” e a “falta de visão alternativa” como os principais problemas do PS para se apresentar às eleições do outono.

Proposta de “violência doméstica no PS”?

A provocação de Manuel Maria Carrilho não passou despercebida entre os socialistas. José Lello, antigo membro da direção de José Sócrates, reagiu no Facebook, onde acusou o ex-marido da apresentadora de televisão Bárbara Guimarães de estar a “propor uma espécie de violência doméstica no seio do PS”. E lembrou que o ex-primeiro-ministro sempre foi “o inimigo de estimação” de Carrilho.

“Manuel Maria Carrilho deu uma entrevista ao DN e, discorrendo sobre o seu inimigo de estimação José Sócrates, propôs uma espécie de violência doméstica no seio do PS. Nada que se estranhe!”, escreveu.

Além do tema quente, Manuel Maria Carrilho falou ainda na mesma entrevista sobre as eleições presidenciais, onde se mostrou com “muita expectativa” face à candidatura já anunciada de Henrique Neto, ex-deputado do PS que vai concorrer a Belém sem o apoio do partido. “Ele avançou sem calculismos, não esteve à espera dos apoios das corporações, e pôs o dedo na ferida: Portugal precisa de uma estratégia clara para cortar com um sistema político que está em acelerada putrefação”, disse.