“A ISSPresso vai finalmente levar café decente para o espaço”. É esse o título do artigo publicado na Wire, no início da semana, e que dá conta da primeira máquina de café no espaço. A ISSpresso, como foi batizada, foi lançada esta terça-feira, 14 de abril, do Cabo Canaveral, EUA, com destino à Estação Espacial Internacional (International Space Station, ISS, em inglês), que está a mais de 400 quilómetros de distância da terra.

Quase dois mil quilos de mantimentos, incluindo a ISSpresso, foram enviados na cápsula Dragon, transportada pelo foguetão Falcon 9 da empresa Space X. A respetiva cápsula deve chegar à ISS esta quinta-feira, segundo explica a CNN, embora leve aos astronautas cerca de cinco semanas para a “desempacotar” todos os mantimentos.

A máquina em questão, que devia ter chegado em novembro do ano passado, vai permitir a quem está na ISS beber não só café, mas também bebidas quentes. Resulta da união entre a empresa italiana de cafés Lavazza, a Argotec e a Agência Espacial Italiana (ISA), é a primeira do seu género capaz de trabalhar em microgravidade.

Para lidar com líquidos a alta pressão e a alta temperatura num ambiente espacial, a habitual tubagem de plástico no interior da máquina foi substituída por materiais em aço, de modo a suportar uma pressão superior a 400 bars. No total, a estrutura pesa cerca de 20 quilos, tendo em conta as componentes de segurança e as normas do ISA.

E como funciona? A água é aspirada e pressurizada por um sistema elétrico único. Só depois é aquecida. Os grânulos são misturados com a água quente e o café é canalizado para uma bolsa, que está presa à máquina. Os astronautas bebem o café diretamente da bolsa com recurso a uma palhinha. Até parece estranho dizer que a ISSpresso, que também pode ser usada para hidratar alimentos, utiliza cápsulas de café normais, colocadas no topo do aparelho.