A Alemanha terá espiado o Governo francês e a Comissão Europeia, enviando posteriormente as informações para os Estados Unidos, contribuindo para a rede de espionagem da NSA. Estas alegações vêm contradizer o Governo de Angela Merkel que até agora tem negado de forma veemente conhecer as atividades da agência de vigilância norte-americana na Europa e ainda denunciar que a Alemanha espia os seus próprios aliados.

A notícia foi divulgada esta quinta-feira pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung e alega que os serviços secretos alemães, conhecidos como BND, espiaram ativamente o Palácio do Eliseu, residência oficial do presidente francês, o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês e vários membros da Comissão Europeia. O jornal não refere os períodos em que estes procedimentos ocorreram, mas alega que a informação foi transmitida aos Estados Unidos ao abrigo de um acordo firmado entre os dois países em 2002.

Segundo o relatório a que o jornal teve acesso, as escutas ocorreram a partir de Bad Aibling, a sul de Munique na Baviera. Estas informações eram em seguida passadas à NSA. Para além dos Governo francês e da Comissão Europeia, algumas empresas europeias também terão sido espiadas – empresas alemãs e figuras políticas alemãs não estarão na lista a que o jornal diz ter tido acesso.

Há uma comissão a decorrer no Parlamento alemão, Bundestag, que está a avaliar o impacto das operações da NSA na Alemanha, depois de Edward Snowden denunciar que os EUA estavam a vigiar os seus parceiros, nomeadamente a Alemanha e Angela Merkel. No entanto, vários relatos agora conhecidos alegam que as informações eram partilhadas entre os dois países, já que a Alemanha queria obter a informação privilegiada dos norte-americanos.