A cerimónia de trasladação de Eusébio, futebolista do Benfica e da seleção nacional, para o Panteão Nacional, em Lisboa, vai custar 75 mil euros, confirmou ao Observador a secretaria-geral da Assembleia da República.

Isto significa que a cerimónia que terá lugar dia 3 de julho vai ser mais cara do que aquela que decorreu em 2014 para a trasladação da escritora Sophia de Mello Breyner. Na altura, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, pediu contenção nos gastos e chegou a sugerir aos deputados que o Parlamento procurasse mecenas para ajudar a pagar as cerimónias. Todos os líderes parlamentares rejeitaram tal ideia, defendendo que, como órgão de soberania, a Assembleia devia assumir todos os custos das decisões democráticas que toma e que não fazia sentido procurar patrocínios. Os custos da cerimónia de Sophia de Mello Breyner, que decorreu dia 2 de julho, ascenderam a 60 mil euros.

Segundo o programa divulgado na semana passada, a trasladação de Eusébio vai parar a cidade de Lisboa numa sexta-feira à tarde. As cerimónias arrancam às 15h de 3 de julho no cemitério do Lumiar, onde o Pantera Negra está sepultado desde janeiro de 2014. Aí, só família é permitida. Depois há uma missa no Seminário da Luz, em Carnide. Quando acabar a missa, começa um cortejo por vários pontos da capital: o Estádio da Luz, a Federação Portuguesa de Futebol (ao Rato), a Assembleia da República e o Panteão Nacional, na zona de Santa Apolónia.