Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Agressão em Guimarães: PSP inundada de protestos

Este artigo tem mais de 5 anos

A violência da PSP durante os festejos do bicampeonato benfiquista é condenada nas redes sociais. Os partidos pedem explicações.

Os comentários nas redes sociais tornam evidente a revolta contra a intervenção da polícia nos festejos
i

Os comentários nas redes sociais tornam evidente a revolta contra a intervenção da polícia nos festejos

AFP/Getty Images

Os comentários nas redes sociais tornam evidente a revolta contra a intervenção da polícia nos festejos

AFP/Getty Images

Os incidentes junto ao Estádio do Guimarães, na noite de domingo, em que um agente da PSP agrediu um adepto do Benfica em frente a dois filhos menores está a gerar uma onda de protestos, que chegou diretamente à força policial. A página do Facebook da PSP encheu-se de comentários negativos e acusações.

“Pede-se a expulsão do policia que ontem agrediu selvaticamente um Cidadão na frente do Filho, e o Idoso, que deveria ser Pai do agredido! É revoltante. Inqualificável tal atitude – mesmo que tivesse sido insultado. Identificava-o e levava-o para a esquadra. Este policia, não tem a mínima sensibilidade para continuar a usar aquele distintivo e farda. Somos nós Pvo Portugues que lhe pagamos o salário! O despedimento seria o mais óbvio, mas… já sabemos que nada acontece!”, escreveu um utilizador da rede social Facebook, na página oficial da PSP.

Os comentários nas redes sociais tornam evidente a revolta contra a intervenção da polícia nos festejos. Alguns vídeos foram partilhados por utilizadores, pretendendo mostrar a violência utilizada pelas forças de segurança. Um mais partilhados foi o do homem agredido por um agente da PSP à saída do jogo entre o Guimarães e o Benfica, este domingo. José Magalhães foi acusado de ter cuspido na cara do agente Filipe Silva, que assim justificou a agressão. A vítima nega a acusação.

Alguem me explique isto?? Será k o homem estava armado ????? para o otario do policia fazer isto??? A frente da criança.

Posted by Ricardo Filipe Pinto on Domingo, 17 de Maio de 2015

“Não vi a PSP a ter tão pouca tolerância quando foram abalrroados pelos colegas nas escadas da assembleia da República!!!”, comentário de outro utilizador da rede social Facebook.

A falta de tolerância, a violência desproporcional e a falta de “sensibilidade” da Polícia de Segurança Pública fazem com que as suas ações sejam consideradas “inqualificáveis” e “revoltantes” para alguns utilizadores do Facebook, na página oficial da PSP.

Mas houve também quem defendesse a polícia:

“O polícia é um homem que está sobre um enorme stress, muito mau pago, se morrer a exercer a profissão a família fica na miséria. Num jogo de alto risco é ofendido, leva com petardos, com garrafas de cerveja, pedras etc… O que terá o policia a responder daquela maneira? Onde está a extrema violência? É pelo facto de estar lá crianças? Pensem em todos os pontos e não tenham por base alguns segundos de imagem sem som…”.

Já depois de a PSP ter emitido um comunicado em que anunciou a abertura de um processo disciplinar ao polícia de Guimarães, novos comentários apareceram de imediato.

“Após o visionamento das imagens em questão, a PSP decidiu instaurar procedimento disciplinar contra o elemento policial que consumou a detenção” – não quero imaginar o que acontece quando este tipo de episódio não é filmado.

Caros senhores, é dos livros: a situação de Guimarães deveria ter sido tratada autonomamente. Ao fazerem um post deste tamanho e “sepultarem” nele a menção de que só “após o visonamento das imagens” “a PSP decidiu instaurar procedimento disciplinar contra o elemento policial” deixa-nos de imediato perante um tremendo e angustiante conjunto de dúvidas: e se não houvesse imagens? E se não houvesse testemunhas? E se as consequências fossem mais graves? […]

Nas redes, porém, a PSP não é toda criticada. Há um agente que é muito elogiado, o que tentou acalmar o filho menor, de 11 anos, do adepto que estava a ser agredido.

Screen Shot 2015-05-18 at 17.36.17

BE e PSD questionam MAI

Alguns partidos políticos como o Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Social Democrata (PSD) já se pronunciaram acerca das celebrações violentas.

A deputada do BE, Cecília Honório, pediu esta segunda-feira explicações ao Executivo da maioria PSD/CDS-PP sobre os incidentes de domingo entre adeptos e forças policiais, durante os festejos do segundo título nacional consecutivo de futebol do Benfica.

“Aquilo que nós exigimos ao Governo, à ministra da Administração Interna, são esclarecimentos imediatos sobre a atuação das forças de segurança, cujo papel é evidentemente preservar a segurança dos cidadãos e cidadãs em acontecimentos desta natureza”, afirmou a bloquista, à margem das jornadas parlamentares que decorrem até terça-feira, na região de Setúbal.

Sérgio Azevedo, deputado do PSD classificou como “lamentáveis” os distúrbios após os festejos num requerimento entregue esta segunda-feira à Assembleia da República, dirigido ao Ministerio da Administração Interna. O deputado social democrata elogia a atuação das forças policiais em Lisboa, afirmando que a PSP “atuou numa lógica de razoabilidade e proporcionalidade”, “perante os distúrbios causados por um grupo marginal e desrespeitador dos princípios de vivência comunitária, de liberdade e de respeito.”

Por outro lado, Sérgio Azevedo critica a ação das forças policiais em Guimarães, nomeadamente em relação à agressão de José Magalhães em frente aos dois filhos menores (de 9 e 13 anos), e do avô das crianças, também ele agredido.

Caso diferente foram os acontecimentos, amplamente divulgados pela comunicação social, ocorridos na cidade de Guimarães e que dão conta de uma atuação desproporcionada, tendo em conta as imagens televisionadas, contra dois cidadãos adultos e uma criança”, afirmou o deputado do PSD. “Os acontecimentos públicos ocorridos na cidade de Guimarães não podem cair no esquecimento, merecem um esclarecimento público cabal e as suas consequências devem servir de exemplo a todos.”, acrescenta.

 

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas