Rádio Observador

Viagens

Os destinos mais caros e mais baratos do mundo

467

França é um dos destinos mais caros do mundo e a Índia um dos mais baratos para o turismo. Da Europa até ao outro lado do globo, descubra onde se gasta mais e menos em viagens.

Diz-se que viajar é dos melhores investimentos que podemos fazer. Mas, por falar em investimento, talvez convenha conhecer os destinos mais caros e baratos que o mundo oferece.

Para nos esclarecer, o Fórum Económico Mundial comparou 141 países para descobrir quais as nações que obrigam os turistas a gastar mais e aqueles que são mais amigos da carteira. Segundo a BBC, estudou-se o custo de vida, o preço do combustível, o valor dos quartos de hotel e o preço dos bilhetes de avião.

O resultado pode surpreender.

Os cinco países mais caros

Suíça

Dormir na Suíça pode custar 216 euros por noite, fora a viagem de avião que também não é simpática para o bolso. Mas é à conta destes valores que o país soma quase 2.000 euros de lucro por cada um dos nove milhões de turistas que escolhem a Suíça como destino de férias. Mas o país faz por isso: está muito bem preparado para receber os visitantes e tem muitos pontos turísticos.

Reino Unido

O Reino Unido tem mais de três vezes o número de turistas que visitam a Suíça. Mas cada um dos turistas que visita terras inglesas só investe 1.200 euros. Uma noite num hotel britânico custa em média 125 euros. O que é mesmo caro no país são os transportes. Mas não se assuste: há ofertas para todas as carteiras, das mais recheadas às menos abastadas.

França

A cidade romântica recebe 85 milhões de turistas por ano, o que significa um lucro de 600 euros em média por cada pessoa. Um destino comum, mas caro devido aos preços dos hotéis e dos voos: uma noite francesa custará pouco menos de 200 euros.

Austrália

Em média, cada um dos seis milhões de turistas que chega à Austrália investe 4.500 euros. A maior parte deste orçamento é gasto logo nos bilhetes de avião, porque o país que ocupa a maior parte da Oceania e está longe de quase tudo. Além disso, a Austrália é tão grande que obriga muitas pessoas a deslocarem-se de avião dentro do próprio país.

Mas nem tudo é mau: os hotéis não são especialmente caros, já que o preço por noite ronda os 145 euros.

Noruega

Não é muito caro viajar para a Noruega, mas já o mesmo não acontece quando falamos do preço dos hotéis. Uma noite norueguesa obriga a desembolsar 136 euros e o custo de vida é muito elevado. Mas não é isso que impede os quase 5 milhões de turistas de o visitar, investido em média 1.100 mil euros.

Os cinco países mais baratos

Irão

PERSEPOLIS, IRAN - MAY 30:  Tourists gaze upon the Gate of All Nations at the ancient Persepolis archeological site on May 30, 2014 in Persepolis, Iran. The ruins mark the site of the 6th century BC Persian Achaemenid Empire, the largest empire the world had known up to that time, eventually ended by Alexander the Great. This week marks the 25th anniversary of the death and continued legacy of the Ayatollah Khomeini, the father of Iran's Islamic Revolution, only the latest chapter of Persia's long history.  (Photo by John Moore/Getty Images)

O Portão de Todas as Nações é um ponto turístico no Irão. Imagem: Getty Images

O mais barato dos países listados é o Irão, muito por causa dos conflitos políticos do país. A viagem é muito barata, bem como o combustível e é por isso que o Irão recebe 3 milhões de visitantes por ano prontos a visitar o legado histórico e arquitectónico.

Indonésia

Nove milhões de turistas, 8 mil milhões de euros de lucros para o turismo indonésio por ano. Muito devido ao facto deste país não obrigar a um investimento muito considerável nem no bilhete de avião nem no combustível. Os hotéis são também baratos e a oferta turística é muito competitiva.

Egito

A viagem de sonho de muita gente é mais barata do que se julga. Com o mesmo número de turistas que visita a Indonésia, o país só exige gastos por turista na ordem dos 592 euros. Tanto os hotéis como o combustível é acessível, mas o turismo tem sofrido com os conflitos contínuos. E olhe que não faltam maravilhas para visitar.

Índia

A Índia tem conquistado muitos turistas nos últimos anos. A popularidade do país leva sete milhões de pessoas até à chamada “nova China”. O transporte é barato, a comida é saborosa e muito em conta e os hotéis também são acessíveis.

Tunísia

Nenhum país sofreu mais no setor turístico que a Tunísia, à conta da Primavera árabe de 2010 e das eleições do ano passado. Os seis milhões de turistas gastam em média 314 euros cada um, entre excursões, safaris, dias de praia, monumentos e desportos ao ar livre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)