Rádio Observador

Transgénero

Como Caitlyn Jenner quebrou a Internet

214

Bastou um dia para que Jenner se tornasse no transgénero mais famoso do mundo: em apenas quatro horas angariou 1 milhão de seguidores no Twitter, recebeu apoio de Obama e vários elogios da imprensa.

Captura de ecrã - Vanity Fair

É a transição mais provocadora, corajosa, afirmativa e fabulosa de sempre, escreve o The Guardian: “Até agora, nunca ninguém se tinha revelado com tanto estilo. (…) A capa tornou-se instantaneamente icónica.”

A sequência de elogios reflete o impacto viral da capa da Vanity Fair — divulgada esta segunda-feira — onde se mostra a transformação oficial de Bruce para Caitlyn Jenner. E se há uns meses era Kim Kardashian quem posava nua na capa da revista Paper, com a intenção de quebrar a Internet, agora é o seu padrasto quem pode reclamar o feito.

As reações à mudança de sexo feita de forma tão pública não se fizeram esperar e um rol de celebridades socorreu-se das redes sociais para, na maior parte dos casos, apoiar o ex-atleta olímpico — como as atrizes Emmy RossumLena DunhamMia Farrow e Anna Kendrick. Ellen DeGeneres também não ficou indiferente ao editorial inédito, capaz de colocar a revista Vanity Fair num qualquer pódio histórico, e publicou um post onde se lê: “A minha esperança no mundo é que todos consigamos ser tão corajosos como a Caitlyn Jenner.”

No entanto, nem todos os famosos se ficaram pelos elogios (e nem toda a imprensa tratou o assunto com sensibilidade). Drake Bell, estrela do Nickelodeon, está a receber duras críticas pelo tweet que partilhou junto dos seus 3.22 milhões de seguidores — “Desculpa… Vou continuar a chamar-te Bruce”. O impacto negativo na rede social fez com que o ator de 27 anos optasse por apagar o respetivo tweet alguns minutos depois, tal como conta o Daily Mail. Bell tentou ainda remediar a situação ao escrever que não tinha como intenção desrespeitar Caitlyn Jenner e que queria apenas enfatizar o legado da estrela olímpica — “Ele é o maior atleta de todos os tempos”. A propósito da polémica, o Washington Post publicou um artigo onde discute se, com a mudança de sexo e de nome, será ou não preciso reinventar a história (em particular aquela do desporto).

Do lado da família, a filha Kendall Jenner escreveu no Twitter “Agora sê livre, lindo pássaro”; Kim Kardashian elogiou a beleza de Caitlyn e fez um apelo, “Sê feliz, orgulhosa, vive a vida à tua maneira!”, enquanto Khloé Kardashian argumentou: “Foi-nos dada esta vida porque foste forte o suficiente para a viver! Não podia estar mais orgulhosa!”(Kim e Khloé são ambas enteadas de Caitlyn). Também a mãe da mulher que agora ocupa a capa da Vanity Fair já comentou a situação, defendendo que a filha (antes filho) “está linda”.

A estreia mundial de Caitlyn também se fez nas redes sociais, com uma conta própria no Twitter inaugurada assim que a capa da Vanity Fair começou a circular na Internet — o timing foi perfeito e estudado ao pormenor. O primeiro tweet, publicado durante a tarde desta segunda-feira, conta com mais de 350 mil “gostos”: “Estou tão feliz por, depois de uma longa batalha, estar a viver o meu verdadeiro eu. Mal posso esperar para que a/me fiquem a conhecer.”

Na mesma conta, Caitlyn acumula praticamente dois milhões de seguidores — superou, assim, o recorde de Barack Obama ao atingir 1 milhão de seguidores em apenas quatro horas (o presidente dos Estados Unidos precisou de cinco horas). E, nem de propósito, Obama também comentou (e apoiou) a transição de Bruce Jenner:

O frenesim na imprensa internacional (como quem diz mundial) é tanto que já se discute o corpete utilizado para a capa da VF (bem como o seu valor monetário), não fosse o editorial ter repercussões no mundo da moda, e fazem-se guias sobre como falar e escrever sobre transgéneros. O Telegraph, por sua vez, debruça-se sobre a importância de escolher um nome aquando de uma mudança de sexo.

E é notícia a própria forma como a publicação se esforçou por proteger o tema inédito, de modo a evitar fugas de informação. O Mashable conta que o exclusivo em questão exigiu meses de negociações — um porta-voz da VF comentou que as conversações duravam desde janeiro — e que foram contratados seguranças para a sessão fotográfica. Mais, tanto as histórias como as fotografias foram trabalhadas num único computador sem qualquer acesso à internet, com os documentos a serem colocados todas as noites numa pen e, depois, eliminados do computador. A história foi ainda entregue em mãos na gráfica.

E estes são os memes que já invadiram o Twitter:

https://twitter.com/BellaDSI/status/605686616162566144

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)