O Tribunal de Évora condenou à pena máxima de 25 anos de prisão um homem, de 32 anos, acusado de ter matado a namorada a murro e pontapé, em maio de 2014, na cidade alentejana.

Na leitura do acórdão, o tribunal deu como provados os crimes de que o arguido estava acusado, homicídio qualificado e violação.

Segundo o acórdão do coletivo de juízes que julgou o caso, o homem, imigrante brasileiro, foi condenado, em cúmulo jurídico, a uma pena única de 25 anos de prisão efetiva.

O arguido foi ainda condenado a pagar uma indemnização à família da vítima no valor de cerca de 20 mil euros.

O homem assassinou, a murro e pontapé, a namorada de 27 anos, em maio de 2014, no quarto arrendado onde viviam, numa casa do centro histórico de Évora.

Na altura, fonte policial explicou à Lusa que o homem se tinha entregado à PSP de Évora, alegando que, quando acordou, encontrou a namorada morta na cama e que “não se lembrava de nada”.