Rádio Observador

Príncipe Real

Não há bolos como os da avó. Nem como os da Nonna

206

Chama-se O Bolo da Nonna mas, mais do que um bolo, é uma autêntica casa da avó onde se podem provar as criações de Maria José Mouzinho (a 'nonna') e dos jovens pasteleiros Jonathan e Ruben.

São raras as discussões sobre bolos que não terminam com um dos seus intervenientes a exultar as criações da respetiva avó. E apesar de nem sempre ser possível confirmar se há, de facto, motivos para essa exultação, o argumento costuma ser aceite. Afinal, avó é avó. Mas no caso da neta de Maria João Mouzinho essa dúvida nunca substirá. Basta visitar o seu novo espaço, O Bolo da Nonna, e provar a criação que lhe deu origem: um magnífico bolo de chocolate que resiste à colher por fora mas que se desfaz como manteiga por dentro.

“Há muitos anos que tenho esta receita, que sempre fiz em casa”, conta ‘Mizé’, como lhe chamam. Mas quando o filho, Miguel Mouzinho, abriu uma hamburgueria na LX Factory, a Burger Factory, o chamado Bolo da Nonna ganhou nome — “a minha neta começou a chamar-me ‘nonna’ e agora até acho estranho se ela disser ‘avó'” — e, importante, fama. Não demorou a tornar-se a sobremesa mais apetecível da casa ao ponto de, conta a autora (e sócia do restaurante), “continuar a haver pessoas que ligam a pedir para reservar fatias”.

E se primeiro ganhou fama, agora ganhou asas. “O meu filho já queria há algum tempo arranjar um cantinho para o Bolo da Nonna”, diz Maria José. Assim foi: o cantinho — e é disso mesmo que se trata, um cantinho — foi encontrado na Praça das Flores, no Príncipe Real, em Lisboa. O espaço é tão acolhedor como pequeno, mas se os homens não se medem aos palmos, as casas de bolos muito menos. A decoração, aliás, não podia se podia apropriar mais ao conceito: parece tal e qual uma casa de avó, cheia de quadros e móveis antigos, como é o caso das mesas que foram de costura e agora são de refeição.

“Eu e o Miguel somos os criativos da família”, explica a responsável. Deve-se, portanto, a ambos o conceito do espaço, que  apesar do nome vende bem mais do que o dito bolo. Este não deixa, no entanto, de ser o ex-líbris da casa. E a única guardiã da receita original é mesmo Maria José. Pelo menos para já.

Só que uma casa, geralmente, não se faz de um produto só. E esta não é excepção. Assim, para ajudar a compor a oferta, O Bolo da Nonna emprega dois chefs pasteleiros: Jonathan, formado numa academia sul-africana, e o português Ruben, da Escola de Hotelaria de Lisboa. Juntos têm vindo a desenvolver uma série de receitas, de onde se destacam os queques de vários sabores. “Aconteceram um pouco por acaso. Um dia estávamos a experimentar reduzir as doses e criámos o primeiro”, conta Ruben. A experiência foi tão bem sucedida que pegou, ao ponto de grande parte da montra se compor agora de queques salgados, de bacon e queijo, ou doces, de café ou pão-de-ló, entre outros. Mas não é tudo: entre outras opções contam-se um muito elogiado bolo de ananás, que até começou por ser de banana são tomense, e panquecas que podem (e devem) ser acompanhadas com o caramelo salgado caseiro de Jonathan.

“Estamos sempre a pensar no que é que podemos fazer amanhã”, revela Maria José, que como boa documentalista que foi, passa grande parte do tempo a ler e investigar receitas. Esse amanhã trará outras opções doces e salgadas, como um queque de caril (outra receita da família) ou diversas sopas para beber em chávena. E apesar de haver sumos naturais, chás, batidos e até vinho a copo para acompanhar tudo isto, são as águas aromatizadas com diversos frutos e vegetais que cumprem de forma mais eficaz a missão de matar a sede do cliente. “Fazemos a infusão aqui e ficam deliciosas”, garante a ‘nonna’. E é de acreditar: palavra de avó é sagrada.

Nome O Bolo da Nonna
Morada Praça das Flores, 41-43 (Príncipe Real), Lisboa
Telefone 21 395 1231
Horário Todos os dias, das 10h00 às 20h00

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)