A notícia é avançada pelo jornal diário El País, que teve acesso ao texto do Decreto Real que esta sexta-feira será publicado no Boletim Oficial do Estado.

Nesse documento, o rei Felipe retira à sua irmã, a infanta Cristina, o direito de utilizar o título de Duquesa de Palma de Maiorca, que lhe foi atribuído mediante o Real Decreto publicado a 26 de setembro de 1997, isto depois de um juiz espanhol decidir levá-la a tribunal por suspeita de cooperação em crimes fiscais.

O jornal cita fontes da Casa Real espanhola que afirmaram que “a decisão de renunciar aos direitos de sucessão dinástica permanece nas mãos de dona Cristina”. Cristina é a sexta na linha de sucessão ao trono.

A par de Cristina, também o marido Iñaki Urdangarin perde o título de Duque de Palma de Maiorca.

A irmã do rei tornou-se duquesa por decisão do seu pai, o rei Juan Carlos I.  No passado mês de dezembro, um juiz espanhol decidiu que a infanta Cristina vai ser julgada por suspeita de cooperação em crimes fiscais cometidos pelo seu marido, Inaki Urdangarin.

A infanta Cristina, afastada de toda a atividade institucional desde finais de 2011, deixou ser membro da Família Real depois do seu país, rei Juan Carlos ter abdicado e proclamado Felipe rei de Espanha.

Segundo fontes da Casa Real, o rei Felipe VI já comunicou a decisão à irmã. O decreto é assinado pelo rei Felipe e pelo primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy.