País

“Vendido” o Parlamento português. Pelo menos é o que diz o cartaz

1.184

"Vendido", lia-se no cartaz pendurado na varanda de São Bento. Os responsáveis são ativistas do grupo 'Eu não me vendo', ligado ao Agir, de Joana Amaral Dias. Esta ação será a primeira de muitas.

Os seguranças nada fizeram, e a placa foi ostentada na varanda "durante mais de meia hora, até eventualmente alguém ter dado por ela", contou Joana Amaral Dias

Eu Não Me Vendo/ Youtube

Autor
  • Catarina Leão

Durante cerca de meia hora foi pendurada na varanda do Parlamento português um cartaz onde se podia ler “Vendido“. Os autores são membros do grupo “Eu não me vendo” – ligado ao movimento “Agir” – e a ação serviu para “aguçar o apetite” das que ainda estão para vir, garantiu Joana Amaral Dias ao Observador. A Assembleia da República já abriu um inquérito para investigar como é que foi colocada a faixa, refere o Público.

“A ação foi planeada, e a placa foi impressa numa gráfica”, afirmou Joana Amaral Dias, a líder do movimento político “Agir”. “Os ativistas entraram normalmente no Parlamento” já que segunda-feira é habitualmente um dia de pouco movimento em São Bento. Os seguranças nada fizeram e a placa foi ostentada na varanda “durante mais de meia hora, até eventualmente alguém ter dado por ela”, contou Joana Amaral Dias.

Veja o vídeo da ação colocado no site do grupo:

No site do “Eu não me vendo” pode ler-se: “O governo vendeu tudo o que podia, por tuta e meia. Prepara-se para entregar a Carris e o Metro, depois de vender a TAP por 10 milhões de euros. Uma companhia com mais de 60 aviões, alguns dos quais valem mais que 200 milhões de euros, cada um.”

Segundo a política e psicóloga, “a Assembleia da República tornou-se numa central de negócios” e este tipo de ações visa protestar contra o facto de “nas privatizações, os vendedores e os compradores estarem sentados no mesmo lado, numa promiscuidade que apodrece a democracia”.

Na publicação do site lê-se ainda, em tom de explicação pela ação desta manhã:

Tão grave quanto as negociatas, com escritórios amigos, para entregar todos os setores estratégicos da economia, o executivo de Passos Coelho entregou a soberania nacional aos pés da chanceler alemã Merkel. O parlamento português deixou de ter autoridade sobre o Orçamento do Estado. O BCE decide a política monetária. Berlim decide o nosso Orçamento. A nossa soberania foi vendida, os nossos serviços públicos destruídos, a nossa economia serve para salvar bancos. As reformas são cortadas, os pensionistas roubados, mas as PPPs e swaps são sagradas.”

“Gente que não se vende tem de Agir!”, lê-se no final da publicação do grupo “Eu não me vendo”.

* Texto editado por Filomena Martins

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A hipocrisia das casas da esquerda /premium

Filomena Martins
190

Costa fez negócios de especulação imobiliária com idosos que tanto criticou. Iglesias comprou um chalet de luxo e violou o código de ética que impôs no Podemos. É a hipocrisia moralista da esquerda.

Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)