Rádio Observador

WikiLeaks

Pierre Moscovici exige esclarecimentos dos Estados Unidos sobre as alegadas escutas ao governo francês

Numa publicação no seu blog, o comissário europeu para os Assuntos Económicos afirma que o seu nome apareceu diversas vezes nos documentos revelados pelo Wikileaks.

Pierre Moscovici foi ministro das Finanças da França entre 2012 e 2014.

AFP/Getty Images

O comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, admitiu esta terça-feira que as escutas telefónicas feitas pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) ao governo francês “são intoleráveis entre aliados e amigos” e que “exige formalmente esclarecimentos do governo americano sobre as informações divulgadas”. A declaração foi feita no blog do comissário, no seguimento dos documentos do Wikileaks revelados na última semana pelo diário Libération.

A reação das autoridades norte-americanas deve estar à altura das práticas reveladas e responder sem ambiguidades e de maneira imediata às perguntas aqui presentes. É sua responsabilidade reconstruir a confiança com aqueles que, como eu, os considera amigos, mas esta amizade não é cega, ela precisa estar sobre uma base sólida”, escreveu o comissário.

Na publicação, Moscovici afirma que o seu nome aparece diversas vezes nos documentos publicados pelo Wikileaks e supõe que as escutas ocorreram durante o período que foi ministro das Finanças de França, entre 2012 e 2014, a partir do seu telemóvel pessoal. O comissário avança ainda que desconhece o motivo pelo qual ocorreu a alegada espionagem ao governo francês, porém admite que “com base nas revelações da imprensa francesa, o padrão de espionagem sobre assuntos económicos parece claro”.

Moscovici conclui que “se recusa a fazer dos documentos publicados pelo Wikileaks um pretexto para interromper o diálogo com os Estados Unidos, em todos os níveis, a começar pelo nível económico – como alguns já estão a pensar, mesmo dentro da sua família política”, mas que “chegou o momento para uma explicação exigente”.

Na última terça-feira, o Wikileaks divulgou documentos que denunciavam uma “grande operação” da NSA para espiar três chefes de Estado franceses – Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy e François Hollande – pelo menos, entre 2006 e 2012. Os documentos, considerados sigilosos pelo governo francês, eram destinados às agências de “informações” dos EUA e a dirigentes da NSA, segundo o Libération, e esclareciam o modo de funcionamento e tomadas de decisão de Hollande e dos seus antecessores.

Na quarta-feira, o presidente Barack Obama telefonou a François Hollande para confirmar que os EUA não estavam a espiá-lo, avançou a Casa Branca. Na quinta-feira, foi o secretário de estado norte-americano, John Kerry, quem garantiu na imprensa que não havia “vigilância e que o presidente Hollande não é um dos nossos alvos, nem nenhum membro do governo francês”.

Segundo o site Mediapart, satélites alemães são os suspeitos nas escutas da NSA aos presidentes franceses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)