O ministro da Economia afirmou esta quinta-feira que a Área Metropolitana do Porto tem a vocação de liderar o Noroeste Peninsular em logística, considerando o novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões um “impulso fundamental” para a região.

Pires de Lima foi um dos três ministros presentes na inauguração do novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, em Matosinhos — estiveram ainda em Matosinhos o ministro da Defesa Nacional, Aguiar-Branco, e a ministra da Agricultura e Mar, Assunção Cristas -, tendo apresentado a ideia de “fazer da área metropolitana do Porto a capital do Noroeste Peninsular em logística”.

“O conjunto de infraestruturas que existe em Matosinhos, na Maia, no Porto, são centrais para este desenvolvimento turístico, não só o aeroporto mas aqui também o Porto de Leixões e toda a estrutura ferroviária que está a ser desenvolvida e que permite a ligação mais rápida, mais fácil, entre o Porto, o Minho e a Galiza”, disse aos jornalistas.

Na opinião do ministro da Economia, a Área Metropolitana do Porto tem uma missão, uma vocação que “é liderar do ponto de vista logístico o Noroeste da Península Ibérica”, acrescentando que “o Porto de Leixões desempenha um papel central nesta estratégia e seguramente que os efeitos multiplicadores destas estruturas são imensos”.

“Quero destacar a importância que é para Portugal termos um plano estratégico de transportes e infraestruturas com 59 prioridades definidas e que foram alinhadas e por isso assumidas pela generalidade das forças partidárias”, enfatizou.

Segundo Pires de Lima, o Terminal de Cruzeiros é uma dessas 59 prioridades, considerando que o “Porto de Leixões é uma das estruturas que mais beneficiada sai em termos de planeamento mas também em termos de execução com este plano”.

“Para além deste novo terminal, está em conclusão a plataforma logística do Porto de Leixões e estamos a fazer a extensão do atual terminal de contentores, para além de estarmos a lançar a obra do segundo terminal de contentores que permite a chegada de navios até 14 metros de calado”, anunciou.

O governante apelidou de “magnífico” o novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões que “vai permitir que passem por Matosinhos 130 mil passageiros nos próximos três anos”, considerando que “é um impulso fundamental para a região Norte”.

A primeira pedra da estrutura de 40 metros de altura e com 18.500 metros cúbicos de betão foi lançada durante o executivo do antigo primeiro-ministro José Sócrates, em março de 2010, recebendo, ainda ao longo da construção, um volume de escalas de navios cruzeiro que foi crescendo a partir de 2011.

De acordo com a APDL, só em 2015 o novo terminal já recebeu 90 navios cruzeiro, mas 12% que em todo o ano de 2014, o que se traduziu em “cerca de 90 mil passageiros e 45 mil tripulantes”, na sua maioria britânicos (44%), seguidos de turistas alemães (16%) e norte-americanos (15%).

O investimento global na infraestrutura da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) ultrapassou os 50 milhões de euros, um projeto da autoria do arquiteto projetista Luís Pedro Silva, que permite o início e o fim de cruzeiros em Matosinhos, aumentando assim o fluxo de navios e de passageiros.

O edifício principal será também partilhado pelo Parque de Ciência e Tecnologia do Mar da Universidade do Porto — protocolo assinado hoje na cerimónia — permitindo esta localização que os investigadores que trabalham sobre o mar estejam em grande proximidade com o objeto de estudo, prevendo-se uma população universitária a rondar as 300 pessoas.