Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As relações devem ser levadas devagar. Não faz sentido apresentar aos amigos uma pessoa com quem namora há duas semanas, muito menos à família. Entrar no círculo de amigos é uma espécie de “ritual de passagem”, funcionando também como uma preparação para o dia em que será a família a conhecer a nova cara-metade — sinal de que a relação é extremamente séria.

No entanto, se acha que apresentar o seu parceiro aos pais é o momento crítico, engana-se. Um novo estudo publicado no Journal of Family Psychology concluiu que a opinião dos amigos acerca do seu mais que tudo tem um maior impacto na sua relação do que a opinião da família.

Investigadores da Pace University e da Hunter College of the City University of New York quiseram explorar como os julgamentos provenientes dos amigos, da família e da sociedade podem afetar o sucesso de uma relação. Para tal, entrevistaram um total de 480 participantes que estavam em relações do mesmo sexo (99 participantes), relações inter-raciais (288 participantes) e relações inter-raciais e do mesmo sexo (93 participantes), sobre a satisfação na sua relação e os estigmas que enfrentavam vindos das pessoas que lhes eram mais próximas.

Estes tipos de relações foram escolhidos pelos investigadores porque, apesar de a tolerância estar a aumentar, são alvo de mais estigmas do que as outras.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O estudo e os resultados

Os participantes começaram por responder a perguntas detalhadas sobre a sua personalidade, estilo e opções tomadas nas relações. Posteriormente tiveram de responder a um questionário de 25 perguntas para avaliar o estigma proveniente dos amigos, da família e da sociedade. Recorrendo a uma escala de um (mentira) a sete (muito verdade), teriam de responder, por exemplo, a frases como: “A minha família não aceita esta relação”, “os membros da sua família não reconhecem esta relação e referem-se ao seu parceiro como um amigo” ou “os seus amigos fazem comentários ofensivos sobre o seu parceiro e a vossa relação”.

Para medir a felicidade, os participantes tiveram de responder a perguntas sobre a qualidade da relação, o investimento feito, a comunicação e satisfação sexual, ou a igualdade na relação. Após analisarem todas as respostas, os investigadores concluíram que o julgamento feito pelos amigos levou a piores resultados na relação do que o julgamento proveniente da família e da sociedade. “O estigma relativamente à relação vindo de amigos foi correlacionado com uma menor satisfação na relação, bem como no compromisso, na confiança, no amor e na comunicação sexual”, lê-se na Fusion.

Isto não significa que os outros tipos de estigma não tenham impacto. “O estigma da família foi correlacionado com um menor compromisso”, já o estigma da sociedade “foi correlacionado com um menor compromisso e menos comunicação sexual”, dizem os investigadores.

No entanto, nos casos em que a relação se baseava mais na igualdade e na qual o casal enfrentava situações de stress em conjunto, como uma equipa, o estigma foi refreado.

O valor da opinião dos amigos

Andam os casais em pânico para conhecerem os pais um do outro, quando na verdade a sua preocupação deveria recair sobre o dia em que conhecem os amigos.

Mas faz sentido. Muitos estudos demonstram que o comportamento individual de uma pessoa é muito influenciado pelas suas amizades, dos hábitos de estudo aos comportamentos desviantes. Daí que a partir do momento em que os amigos questionam a pessoa amada, plantam a dúvida e as perguntas no cérebro de quem até aí estava seguro e apaixonado.

Os amigos podem ajudar uma pessoa a livrar-se de uma má relação, mas se tem amigos que julgam a sua relação com base na sexualidade ou na raça, é provável que essa relação o livre é de maus amigos.