É oficial: o Reino Unido vai financiar, com cerca de 9,9 milhões de euros, um reforço de segurança na entrada do túnel do Canal da Mancha em Coquelles, norte de França. O investimento incluirá a construção de uma nova vedação, com cerca de 1,6 quilómetros de extensão. Este reforço foi esta quarta-feira confirmado por Theresa May, ministro do Interior britânica, que classificou a medida como “um importante passo em frente”. Entre segunda e terça-feira, pelo menos 3.200 imigrantes ilegais tentaram atravessar o túnel que faz a ligação entre França e Inglaterra.

A informação foi oficializada por May após reunir, em Londres, com Bernard Cazeneuve, homólogo gaulês. “Tivemos um encontro construtivo e concordámos em continuar o trabalho para garantir o regresso dos imigrantes, sobretudo para o Oeste de África, para ajudarmos a quebrar o ligação entre a jornada que as pessoas fazem e o pensarem que podem viver no Reino Unido”, disse, citada pelo Daily Telegraph.

A ministra britânica, contudo, nada referiu quanto aos milhares de pessoas que estão concentradas em campos de refugiados em Calais. Esta semana, vários deputados britânicos criticaram o governo francês por, muitas vezes, libertar os migrantes detidos pelas autoridades.Os governos de ambos os países vão reforçar Calais com polícias e elementos de forças de segurança. O objetivo é anular os trabalhos de vários gangues criminosos responsáveis pelo tráfico de pessoas e migrantes para a região.

Até quarta-feira, pelo menos 3.200 pessoas tentaram fazer a travessia ilegal do túnel do Canal da Mancha, com 50,5 quilómetros de extensão. Na segunda-feira, um homem natural do Sudão, com uma idade entre os 25 e 30 anos, tornou-se na nona pessoa a morrer, desde junho, ao tentar atravessar o túnel, que apenas tem passagem ferroviária.