Rádio Observador

Tradição

Ruas de Campo Maior voltam a florir para receber milhares de visitantes

Arrancam no sábado as Festas do Povo de Campo Maior em Portalegre que contam com a presença de mais de um milhão de visitantes. Este ano serão cem as ruas decoradas com flores de papel.

A poucos dias do início das Festas do Povo de Campo Maior, ultimam-se os preparativos para as decorações com flores de papel, que apenas serão instaladas na noite de dia 21 de agosto

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de um milhão de visitantes é esperado nas Festas do Povo de Campo Maior (Portalegre), que arrancam no sábado, apresentando, nesta edição, 100 ruas “engalanadas” com flores de papel, revelou esta quinta-feira fonte da organização.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação das Festas do Povo de Campo Maior, João Rosinha, indicou que, este ano, contam com “100 ruas inscritas”, estando ainda envolvidos na organização do evento “cerca de seis mil” voluntários.

“Os números são de facto impressionantes e dizem bem a dimensão destas festas. A edição deste ano vai ser memorável a decoração das ruas vai ser espetacular”, acrescentou.

A poucas horas do arranque de mais uma edição destas festas populares, pelas casas de Campo Maior, ainda há quem esteja a trabalhar nas flores de papel, cantando, ao mesmo tempo, as tradicionais Saias, um género musical típico daquela vila alentejana.

Helena Teixeira nasceu em Lisboa, reside há 13 anos em Campo Maior e, em declarações à Lusa, assumiu que vive as festas como se de uma “verdadeira camponesa” se tratasse, dedicando-se a fazer flores de papel para engalanar uma das principais ruas da vila alentejana.

“Eu sou de Lisboa, não sabia fazer nada disto e agora mexo aqui no papel como se fosse uma camponesa. Já sinto esta tradição como minha e tenho muito orgulho”, declarou.

A edição deste ano das Festas do Povo de Campo Maior está assegurada, mas, no futuro, poderá estar em risco, alertou à Lusa, por sua vez, Ana Clara Encarnação, de 64 anos, natural da vila e desde sempre uma “apaixonada” pelos trabalhos em redor da criação das flores de papel. “O futuro, eu acho que não está assegurado porque a juventude não quer, nem os mais velhos”, lamentou.

Para dar a conhecer ao mundo esta tradição popular, está a ser preparada a candidatura das Festas do Povo a Património Cultural Imaterial da Humanidade na Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). De acordo com João Rosinha, a edição deste ano das festas, que vão decorrer até ao dia 30 deste mês, servem de “contributo” para a candidatura, esperando o responsável que, em 2017, a UNESCO reconheça aquelas festas como uma “maravilha mundial”.

Consideradas um evento tradicional único, as Festas do Povo de Campo Maior só se realizam quando a população da vila quer. As festas contemplam a ornamentação das ruas da vila, sobretudo do centro histórico, com milhares de flores em papel, feitas pela própria população.

As Festas do Povo são reconhecidas internacionalmente pela sua originalidade e cariz popular, com os habitantes a prepararem, durante meses, a ornamentação das ruas com flores de papel. De tradição secular, as Festas do Povo foram realizadas pela última vez em 2011, depois de um interregno de sete anos.

Pela primeira vez, vão ser cobradas entradas nas Festas do Povo de Campo Maior, custando um bilhete diário quatro euros, sendo o estacionamento gratuito. Os residentes ou os naturais de Campo Maior, bem como familiares até ao segundo grau, trabalhadores no concelho e crianças até aos 10 anos de idade estão isentos do pagamento de entradas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Tradição

Desculpe estragar a festa, mas o Natal não existe

Donizete Rodrigues
9.178

O Papa Gregório XIII, no século XVI, com a criação do calendário gregoriano, fez o resto. A partir daí, o nascimento de Cristo (de que ninguém sabe a data exata) começa a ser celebrado pelos cristãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)