Mundo

Presidente da Guatemala demite-se. É o primeiro a fazê-lo naquele país

Otto Pérez já não é Presidente da Guatemala, com o parlamento daquele país a aceitar por unanimidade a sua demissão. Foi emitido um mandato de prisão pela acusação num escândalo de corrupção

Pérez Molina foi eleito em 2011 e é um general na reserva

JOHAN ORDONEZ/AFP/Getty Images

O Parlamento da Guatemala aceitou por unanimidade, esta quinta-feira, a demissão do presidente Otto Pérez Molina, acusado de estar envolvido num esquema de corrupção. Depois de meses de investigações e protestos, Otto Pérez decidiu abandonar o cargo na passada quarta-feira, dias antes das eleições nacionais marcadas para o próximo domingo. Agora, é ao vice-presidente Alejandro Maldonado — no cargo há pouco tempo, depois de o seu antecessor se ter demitido na sequência do mesmo escândalo — quem cabe liderar a nação.

Mas estar fora do gabinete não significa que os problemas de Otto Pérez tenham acabado, salienta a CNN, uma vez que foi emitido um mandado de prisão a propósito do escândalo de corrupção. O ex-presidente, que compareceu em tribunal esta quinta-feira, está proibido de sair do país.

Apesar dos mais recentes acontecimentos, o general aposentado de 64 anos garantiu a sua inocência à Associated Press, a mesma publicação que fala num drama político sem precedentes que acontece depois de Otto Pérez ter sido despojado da sua imunidade e abandonado pelos principais membros do seu gabinete. É o primeiro presidente da Guatemala a demitir-se. Pérez Molina foi eleito em 2011 e é um general na reserva que participou na guerra civil que assolou o país durante 36 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)