Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No balanço da primeira semana de campanha eleitoral, Marcelo Rebelo de Sousa apontou vários erros que, acredita, António Costa exibiu desde que assumiu a liderança do Largo do Rato. Erros esses que, somados, dão hoje a imagem de um líder “muitas vezes sozinho”.

No habitual espaço de comentário na TVI, o ex-líder social-democrata começou por dizer que o secretário-geral do PS nunca conseguiu encontrar resposta a um desafio que se coloca aos vários partidos de centro-esquerda da Europa: como escolher um caminho alternativo, “aceitando o Tratado Orçamental e as regras da União Europeia, que são concebidas para o centro-direita”. Para Marcelo, ou se contesta em bloco, como tentou Alexis Tsipras, ou não se contesta. Então, se é gerir por gerir”, o eleitorado parece preferir os partidos de centro-direita.

Mas houve mais obstáculos no caminho dos socialistas, continuou Marcelo. “O caso Sócrates, que pesou porque houve dificuldade em gerir esse dossier”; “O caso da Grécia”, em que houve “uma colagem pontual, inicial, depois a descolagem e depois [também alguma] dificuldade em gerir esse dossier”; e claro, o “problema das presidenciais” – para o comentador, António Costa escolheu Sampaio da Nóvoa “sem o escolher”, não o assumiu “até ao fim” e deixou “espaço” para que pudesse aparecer uma candidatura autónoma, Maria de Belém.

A somar-se a isto, sublinhou o professor, a dificuldade em reconhecer o que era o país em 2011 e o que é em 2015 e ainda a clivagem interna no PS – “os seguristas estão a fazer campanha, mas não morreram de paixão pela escolha; os socráticos toleram, mas não morreram de paixão pela escolha, os soaristas não sei, e os costistas são os jovens turcos, que estão agora aparecer”. Para o comentador, António Costa parece “muitas vezes um líder sozinho“.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Marcelo Rebelo de Sousa deixou para o fim aquele que acredita ter sido o maior erro cometido por António Costa: a “hesitação entre a esquerda e o centro”. Para o antigo líder social-democrata, o PS teria mais a ganhar com o apelo ao voto ao centro e não à esquerda. Apresentado-se como uma “proposta segura, certa, sem aventura, só que dando mais esperança e acelerando a reposição da situação dos portugueses”, os socialistas disputariam cerca de “600 mil eleitores” indecisos. Mas, se “esses 600 mil que estão hesitantes” ouvem uma mensagem que é “‘nós chumbamos o Orçamento do Estado se a coligação ganhar'”, isso permite “à coligação assustar [o eleitorado] com o drama de um governo PS/CDU/BE“.

E quanto à coligação? Tem sabido galopar os erros do adversário e o momento pós-debate radiofónico, considera Marcelo. Pedro Passos Coelho e Paulo Portas parecem estar dispostos a sensibilizar “aqueles 600 mil que estão ao centro com um discurso contra o radicalismo de um eventual governo de esquerda. ‘Olhe, aqueles malandros são uns radicais, vão fazer um governo com o PCP e com BE, chumbam o nosso programa e das duas uma: ou são uns aventureiros que não têm alternativa ou então vão ser viabilizados pelo PCP e pelo BE. E vocês acham isso possível?'”

Marcelo Rebelo de Sousa deixou, ainda, um elogio ao Bloco de Esquerda e à CDU. No caso dos bloquistas, as “manas Mortágua e, sobretudo, Catarina Martins, foram, de facto, a boa surpresa desta campanha”, conseguindo recuperar um partido que estava condenado a desaparecer. Já em relação aos comunistas, o destaque vai todo para Jerónimo de Sousa, que “vai a todas” e que apostou numa “campanha para os fiéis”. Ambas as forças políticas conseguiram travar o apelo ao voto útil do PS, reforçou.

E o que nos trará o futuro pós-eleições? O comentador não tem grandes dúvidas. “Muitas noites sem dormir”. Ainda assim, Marcelo Rebelo de Sousa espera que os vencedores tenham a “serenidade redobrada, porque precisam de fazer passar o programa do Governo e o Orçamento”, e que os perdedores tenham também a “serenidade de não romperem de forma radical, nem se comprometerem no calor da noite”.