Somos aquilo que comemos. Esta poderia ser mais uma frase retirada de um livro de alimentação saudável se não tivesse sido pronunciada por Hipócrates há mais de 2500 anos. Ainda assim, hoje somos refrigerantes e bolachas embrulhadas em embalagens apelativas com inscrições light, zero e magro. Mas no novo food court do Oeiras Parque, a realidade é outra. Imagine entrar num restaurante em que não tem um chef mas uma naturopata. É ela que define as ementas e lhe pergunta o que é que o seu corpo precisa e não o que lhe apetece comer. Bem-vindo ao The Cru onde, sim, é quase tudo cru.

The cru, restaurante, lifestyle, silvia sylvia, 2015, oeiras parque,

“Comer para ser feliz” é o lema do restaurante Cru que incentiva os seus clientes a seguirem um estilo de vida ativo e saudável. © Michael M. Matias/Observador

O nome não deixa margem para erro. No The Cru nem o brownie de sobremesa vai ao forno. E tudo o que for processado, glúten, açúcar refinado, lactose, corantes, conservantes ou substâncias químicas também não entra. As bebidas com gás são um tabu e até a água não é qualquer uma (só da marca Monchique que por ser super alcalina ajuda a equilibrar o pH do organismo tal como as frutas e legumes frescos). “Nós só ainda não lavamos os pratos com água alcalina”, brinca Pedro Coelho, um dos sócios do projeto. E que alimentação é esta? “É anti-inflamatória, pensada para manter as doenças afastadas do nosso organismo.”

The cru, restaurante, lifestyle, silvia sylvia, 2015, oeiras parque,

Pedro Coelho, de 37 anos, é um dos mentores do projeto fundado por cinco sócios. Todos eles são adeptos de uma alimentação cuidada. © Michael M. Matias/Observador

Por isso, não estranhe quando encontrar na carta sumos com funções anti-cancro, para fortalecer os ossos ou até para queimar gorduras — todos sem glúten, açúcar e 100% biológicos, claro. Há ainda pequenos-almoços de açaí, granola ou leite vegetal que podem muito bem servir de entrada para um almoço composto por sopas consistentes, saladas leves ou “wrepes” – uma espécie de wrap com crepe que inspirou todo o conceito.

“Tudo começou com a nossa food truck chamada The Wrepe Van que andava, desde junho, por vários festivais. Como a aceitação deste novo conceito de fast food biológico foi estrondosa decidimos abrir o nosso primeiro espaço”, explica Pedro.

The cru, restaurante, lifestyle, silvia sylvia, 2015, oeiras parque,

Os “wrepes”, mistura de “wraps” com crepes que inspiraram o conceito. © Michael M. Matias/Observador

Depois de Oeiras segue-se Cascais e, só depois, o centro de Lisboa. À semelhança deste pequeno espaço com 34 lugares sentados, a decoração vai ser sempre inspirada em madeira bruta que, tal como um prato cru, não sofreu transformações. “Está ainda planeado para muito em breve um prato diário vegan, um prato diário de carne/peixe biológicos e ainda um menu diário sem glúten para quem sofre de doença celíaca”, adianta Pedro Coelho. “No fundo, contamos nutrientes, não contamos calorias”, conclui o mentor do projeto.

O pai da medicina, Hipócrates, ficaria orgulhoso.

Nome: The Cru
Morada: Oeiras Parque, Avenida António Bernardo Cabral de Macedo (Oeiras), Lisboa
Contacto: geral@thecru.pt
Horário: Todos os dias das 10h às 23h
Preço médio: 10€

Texto editado por Ana Dias Ferreira.